Destaques Geral Local Política

Robert Rios destaca herança de débitos e boa relação de Dr. Pessoa com a Câmara Municipal

O vice-prefeito de Teresina, Robert Rios (PSB), que também comanda a pasta da Secretaria Municipal de Finanças, declarou que não identifica oposição da Câmara Municipal ao prefeito Dr. Pessoa (MDB), asinalando que os 29 vereadores se mostram dispostos a trabalhar junto ao Executivo Municipal. Ele reclamou de uma herança de débitos da administração passada, comandada pelos tucanos. As declarações foram dadas nesta quinta-feira, 1º de abril, em entrevista ao programa “Agora”, da Rede Meio Norte de Televisão.

Robert Rios defendeu os decretos da Prefeitura relacionados à pandemia do coronavírus, opinando que não se pode colocar ‘todo o sacrifício nos comerciantes’. Além disso, rebateu as críticas à atual gestão, declarando que Dr. Pessoa (MDB) é quem define as medidas que estão sendo tomadas pela administração como um todo.

Sobre os decretos em relação à pandemia da Covid-19, o vice-prefeito disse que todas as medidas adotadas pelo prefeito são discutidas com todos e que os decretos do Dr. Pessoa não são muito diferentes dos decretos do governador Wellington Dias. “Não podemos simplesmente colocar todo o sacrifício nos comerciantes, podemos ter um controle sanitário em cima dos comércios, sem precisar essa coisa drástica de fechar. O decreto do Dr. Pessoa foi racional, mais discutido, mais inteligente”, disse ao ser questionado sobre as divergências com o decreto estadual.

Robert Rios revelou que, como secretário de Finanças, não encontrou R$ 1 bilhão em investimentos, como havia sido protelado na campanha do candidato do PSDB no ano passado, Kleber Montezuma, revelando que participou de uma reunião com donos de cemitérios, identificando uma dívida superior a R$ 3 milhões apenas com um. “Não achei (R$ 1 bilhão em investimento); achei R$ 1 bilhão em dívidas. Só hoje fomos cobrados por donos de cemitérios; só um cemitério cobrou R$ 3,3 milhões”, reclamou.

Sobre vacinas

Rios ainda adiantou que a Prefeitura não deve mais adquirir vacinas por conta própria, enquanto houver o indicativo de que as doses compradas pelo Município serão sequestradas pelo Ministério da Saúde. “Toda a ação que a Prefeitura for fazer tem que fazer corte por outro lado (sobre os recursos para as doses). Em relação às vacinas, descobrimos que o Município compraria as vacinas e seriam sequestradas e distribuídas pelo Ministério da Saúde.”

Movimento em redes sociais

Sobre o movimento nas redes sociais para a volta do ex-prefeito Firmino Filho (PSDB), Rios revelou que ‘ninguém mama mais’ na gestão municipal e ressaltou a identificação de dívidas em Teresina.

“Esse ‘#voltafirmino’ é uma comunidade das viúvas do Firmino, lá ninguém mama mais, lá a dívida que ele deixou foi muita. Tivemos uma reunião com donos de cemitérios cobrando dívidas da gestão Firmino”, reiterou o vice-prefeito.

Oposição

Questionado sobre a oposição ao prefeito na Câmara de Teresina, Robert Rios declarou que não a identifica. “Só consigo ver oposição na Prefeitura quando ligo a televisão, porque na Câmara não vejo; o secretário Adolfo (Nunes, secretário de Governo) faz um grande trabalho e não há nenhuma mudança a respeito”, disse, respondendo questionamento sobre o ventilado enfraquecimento da pasta.

Em relação ao indicativo de que ele é o verdadeiro prefeito, Rios pontuou que ‘quem manda é Dr Pessoa’ e ele apenas obedece ordens.

“Que o Dr. Pessoa manda no Robert Rios, ele manda. Se eu estou fazendo alguma coisa, pode ter certeza que estou fazendo o que Dr. Pessoa me delegou. Quem manda na Prefeitura é o Dr Pessoa”, asseverou. (Com Meio Norte)

Redação