Geral Local manchetes Política

No desespero, Kleber pratica terrorismo e tenta jogar professores contra adversários de campanha

Em vídeo de reunião com professores do município de Teresina e que vem sendo divulgado por grupo de WhatsApp, o candidato a prefeito Kleber Montezuma (PSDB) pratica terrorismo eleitoral e incita professores ao tentar jogá-los contra os adversários de campanha, quando afirma: “Eles estão com ‘olho gordo’ na vaga de cada um de vocês’.

No vídeo, o candidato insiste em afirmar que ele é a única garantia que os professores têm de continuar no emprego. No discurso, ele afirma que as críticas direcionadas pelos adversários ao ensino municipal seria o mesmo que dizer que os professores não estariam fazendo um bom trabalho. Quando na verdade, os outros candidatos têm afirmado que os professores são os verdadeiros heróis do ensino municipal, mas não são valorizados pelas administrações tucanas que se sucedem na prefeitura de Teresina.

Diz o tucano no vídeo que os adversários querem, em chegando à prefeitura, tirar os professores para colocar outros. “Mas eles não vão [fazer isso] porque nós vamos ganhar as eleições”, discursa Kleber Montezuma, que saiu da Secretaria Municipal de Educação para se candidatar a prefeito, escolha pessoal do prefeito Firmino Filho (PSDB).

Dr. Pessoa – O candidato a prefeito pelo MDB, Dr. Pessoa, que lidera as pesquisas de intenção de voto para a prefeitura de Teresina, afirmou que, na verdade, vai valorizar a classe, dialogar com os professores e otimizar universalmente o ensino público de Teresina.

De acordo com o emedebista, os profissionais do ensino do município de Teresina têm sofrido, ao longo dos anos, uma gestão truculenta de Firmino Filho e Kleber Montezuma. O candidato tem cobrado o cumprimento de promessas de campanhas anteriores dos tucanos para a rede municipal, a exemplo da introdução da tecnologia nas metodologias de ensino-aprendizagem e valorização dos professores.

Greve – Os profissionais da educação de Teresina, desde março deste ano, estão em greve porque tanto o então secretário e o prefeito atual se negaram e se negam a negociar pautas reivindicatórias da categoria, a exemplo do pagamento integral do Piso Nacional dos Professores e garantias sanitárias na rede de ensino por conta da pandemia da Covid-19, bem como direitos legais que estão sendo negados.

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm) afirma que a greve continua, mesmo com as tentativas de Firmino Filho de esvaziar o movimento. Recentemente, o gestor garantiu, através da imprensa, a execução das mudanças de níveis da classe, com respectivos reajustes.

O presidente do Sindserm, Sinésio Soares, afirmou que a atitude do prefeito, na verdade, é fruto da pressão que vem recebendo tanto da categoria como da própria Justiça, já que foi denunciado pelo não cumprimento da legislação.

“Ele está sendo forçado a atender as pautas da greve. Mas está desde 2017 sem conceder reajuste para os outros servidores. Nós vamos denunciar. Com essas mudanças de nível, o sindicato provou que tem razão. Ou seja, a prefeitura sempre teve dinheiro. Ele tem que pagar o retroativo do piso do magistério”, asseverou Sinésio Soares.

Redação