Geral Local manchetes Política

DESINTHEGRA: PRECARIEDADE DO SISTEMA DE TRANSPORTE E ALTAS TARIFAS

Nos últimos anos, a população de Teresina que utiliza o transporte público tem sentido na pele as mudanças realizadas, que, ao contrário do que se espera, ocasionou resultados negativos, com a piora do sistema de transporte e o aumento desenfreado da tarifa de ônibus. Hoje o Inthegra é um dos piores sistemas de integração e o valor da passagem encontra-se a R$4, uma das maiores do Nordeste, perdendo apenas para João Pessoa e Salvador, que sofreram reajustes neste ano.

Em cinco anos de Inthegra, as reclamações são as mesmas. O novo sistema implantando em Teresina no ano de 2015 tinha como finalidade utilizar os corredores exclusivos para agilizar as viagens e levar mais opções de linhas de ônibus para os terminais da cidade, facilitando a vida dos usuários. No entanto, eles ainda apontam diversas falhas em quesitos como segurança, tempo de espera, acessibilidade, lotação, frota e estrutura.

Em relação às paradas e terminais, a maioria dos usuários aponta a proteção contra o sol e as chuvas como ponto positivo, no entanto, se sentem desprotegidos quanto à segurança, sendo alvos fáceis de furtos e assaltos, uma vez que os locais ficaram isolados e sem policiamento. Há também a questão da superlotação nos ônibus, que piorou muito após o Inthegra. Muitas vezes o ônibus não suporta a grande quantidade de passageiros e muitos precisam aguardar pelo próximo ônibus, o que certamente ocasiona o seu atraso para o trabalho, universidade, ou qualquer que seja o compromisso firmado.

Outro ponto é o tempo de espera dos ônibus. Se deslocar para o Centro ficou mais rápido, mas para os bairros a demora ainda é muito grande, chegando a mais de uma hora de espera. Os passageiros também passaram a pegar mais ônibus desde a implantação do Inthegra. Antes uma pessoa ia e voltava do centro com dois ônibus, agora precisa pegar, no mínimo, seis, sendo três para ir e três para voltar para o bairro onde reside.

Por fim, se o objetivo da integração é fazer com que o percurso seja mais rápido, significa economia nos custos com combustível. Além disso, muitos ônibus saíram de circulação e menos de 15% são climatizados. Portanto, o constante reajuste na tarifa não é justificável. O PSDB, que está há 30 anos no poder, não teve ações efetivas para baratear a tarifa e ela continuará aumentando e afetando, principalmente, os mais pobres da capital, que hoje já gastam 1/4 do salário mínimo com transporte público. Teresina é uma das capitais com a população mais pobre do país, onde 29,3% dos seus habitantes está abaixo da linha da pobreza, de acordo com o último PNAD do IBGE.

Por Redação Jogo do Poder