Geral Nacionais Política

Para governador, Lula quer lançar Haddad em SP, Freixo no RJ e Kalil em MG

No desenho de palanques estaduais para reforçar sua provável candidatura à Presidência da República no ano que vem, Luiz Inácio Lula da Silva gostaria de lançar os seguintes candidatos a governador: Fernando Haddad (SP), Marcelo Freixo (RJ) e Alexandre Kalil (MG). O ex-presidente articula diretamente as tentativas de formar alianças amplas nesses Estados.

Herdeiro político

Haddad é um curinga para Lula e o PT. Na improvável hipótese de Lula desistir de concorrer a presidente, ele seria o candidato.

Palácio dos Bandeirantes

Cresce dentro do PT a articulação para que Haddad aceite concorrer ao governo paulista. Aumentou a demanda para ele cumprir agendas políticas no Estado. O ex-ministro da Educação também é visto como um nome forte para a Casa Civil ou a Fazenda de um novo governo federal petista.

Nó em pingo d’água

Lula conversou com o presidente do PSD, Gilberto Kassab, sobre a costura para o PT apoiar a candidatura de Alexandre Kalil, prefeito de Belo Horizonte, ao governo de Minas Gerais. Essa aliança pode levar Kassab a adotar posição neutra na disputa federal, tirando a sigla cada vez mais da órbita bolsonarista e minando eventual acordo com Ciro Gomes (PDT). Bolsonaro deve apoiar a tentativa de reeleição de Romeu Zema (Novo).

Está avançando a negociação para Marcelo Freixo trocar o PSOL pelo PSB. Uma eventual fusão do PSB com o PC do B, criando o “Socialistas”, daria mais peso a uma aliança em torno de Freixo a fim de combater o bolsonarismo no Rio. Marcelo Freixo deseja reunir num mesmo palanque Lula, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, e Rodrigo Maia, ex-presidente da Câmara. Paes vai se filiar ao PSD. Maia também decidiu sair do DEM e entrar no PSD.

Gol político

A filiação do ex-deputado federal Jean Wyllys ao PT é um exemplo de como Lula tem levado a sério a tentativa de articular forças para concorrer pela sexta vez ao Palácio do Planalto. De saída do PSOL, Jean Wyllys, um símbolo da resistência à barbárie bolsonarista, dá mostra de pragmatismo para combater o genocida. Ele se filiará nesta segunda ao PT.

Hipocrisia e golpismo

Por estar fraco politicamente, Eduardo Pazuello está apanhando da imprensa por ter participado de ato antidemocrático ao lado de Bolsonaro no fim de semana no Rio. Ele repetiu o comportamento de vários generais da ativa e da reserva. Os generais Hamilton Mourão, Eduardo Villas Boas, Fernando Azevedo e Silva, Braga Netto, Augusto Heleno e Fernando Azevedo e Silva já deram declarações golpistas. Alguns acompanharam Bolsonaro em atos que pediram intervenção militar e prisão de ministros do STF.

Ponto de inflexão

A morte do ator e humorista Paulo Gustavo no começo do mês marcou um ponto de inflexão na narrativa sobre as responsabilidades pela tragédia da pandemia no Brasil. Levantamentos em redes sociais mostraram que cresceu o número de pessoas que tomaram consciência de que a culpa por mais gente morrer e adoecer é do presidente Jair Bolsonaro.

Menos

O encontro entre FHC e Lula enfraquece a candidatura presidencial de um tucano no ano que vem. Fato. Mas esse não é um processo que começou a partir da reunião dos ex-presidentes no dia 13. FHC dinamitou as chances de um postulante tucano quando deu corda à aventura de lançar o apresentador de TV Luciano Huck ao Palácio do Planalto.

(Com Uol /Kennedy)

Jogo do Poder