Destaques Geral Local Política

Operação da polícia investiga denúncia da Prefeitura de Teresina sobre contratos de 2019 e 2020

A Prefeitura de Teresina informa que a “Operação Filantropia” realizada pela Polícia Civil nesta sexta-feira (17) ocorreu por denúncia do município após análise de prestação de contas de parcerias firmadas nos anos de 2019 e 2020.

Uma Organização da Sociedade Civil (OSC) que celebrou parcerias de mais de R$ 2 milhões com Prefeitura de Teresina teve as prestações de contas rejeitadas pela Controladoria-Geral do Município (CGM).

Na análise das contas, apesar dos pagamentos recebidos, não ficou evidenciada a prestação de serviços ao município e ficou comprovado direcionamento de recursos a servidores da Secretaria Municipal do Meio Ambiente – SEMAM, além da constatação de superfaturamento do preço de serviços.

Após a rejeição das contas, a Controladoria Geral do Município (CGM), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Finanças (SEMF), notificou o Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) e a Polícia Civil do Estado do Piauí das irregularidades encontradas.

A atual gestão da prefeitura de Teresina acompanha a operação e segue colaborando com as investigações.

Entenda

O portal Cidade Verde publicou matéria nesta sexta-feira informando que a Delegacia de Combate à Corrupção (DECCOR), da Polícia Civil, deflagrou a operação “Filantropia”, que investiga parcerias públicas firmadas pela Prefeitura de Teresina com uma organização da sociedade civil (OSC) nos anos de 2019 e 2020. Ao todo, estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens contra residências de servidores públicos, um escritório de advocacia e a sede da organização. 

 De acordo com a Polícia Civil, o objetivo da diligência é colher informações, documentos e dados sobre as parcerias firmadas pela Prefeitura de Teresina com a entidade investigada.  

“No trabalho, restou demonstrado que a organização era gerida por 02 (duas) servidoras da Prefeitura de Teresina, que usavam pessoas interpostas para garantir a chegada de recursos públicos à entidade, que algumas vezes não executava as atividades às quais estava obrigava”, informou a Polícia Civil, em nota. 

Ainda de acordo com as investigações, ficou comprovado o pagamento de vantagens indevidas para servidores públicos a partir da simulação da prestação de serviços e uso de empresa de fachada. 

Os investigadores perceberam que mesmo sem possuir qualificação técnica e tempo mínimo de criação, a organização recebeu da Prefeitura de Teresina mais de R$ 2 milhões de reais através de duas secretarias municipais. Pelo apurado e após trabalho do Controle Interno do Município, a entidade causou prejuízo aos cofres públicos na ordem de mais de um milhão de reais.

A investigação apura crimes de associação criminosa, desvio de recursos públicos (peculato), lavagem de dinheiro, entre outros.
       
Participam da operação policiais da DECCOR, DRCI, GPE, GPI, GRECO, DEPRE, 8° DP, 5° DP e Auditores do TCE-PI.

O título da operação faz alusão à suposta atividade que a entidade se prestava a oferecer através dos recursos públicos recebidos.

Com  informações PMT e portal Cidade Verde