Geral Internacionais Política

França estabelece quarentena obrigatória para viajantes do Brasil, Argentina, Chile e África do Sul

A França estabelecerá uma quarentena obrigatória de 10 dias para viajantes que chegarem do Brasil, Argentina, Chile e África do Sul, devido à crescente preocupação com as variantes da covid-19, anunciou neste sábado (17) o gabinete do primeiro-ministro francês, Jean Castex.

As autoridades francesas, que já anunciaram na terça-feira a suspensão das conexões aéreas com o Brasil a fim de evitar a variante descoberta no país, manterão os voos com Argentina, Chile e África do Sul, mas seus tripulantes serão obrigados a fazer uma quarentena de 10 dias e, para que a medida seja respeitada, serão também endurecidas as multas.

O gabinete do primeiro-ministro explicou que mantém voos com Argentina, Chile e África do Sul porque nesses países a presença de variantes “não atinge os níveis observados no Brasil”.

A quarentena obrigatória para esses viajantes será aplicada progressivamente a partir de 24 de abril, e também afetará aqueles que vêm do território francês da Guiana.

“Será estabelecido um sistema para verificar, antes do embarque e na chegada, se existe um local adaptado aos requisitos de quarentena e as exigências sanitários, e controles de respeito à quarentena, realizados por policiais e gendarmes, o que que será acompanhado por um endurecimentodas multas no caso em que o isolamento não seja respeitado”, especificou.

A administração francesa também vai tornar mais rígidos os critérios para quem pode viajar saindo desses países, permitindo apenas franceses, parentes diretos e outros cidadãos da União Europeia que residam na França.

A partir de agora será necessário ter um teste de PCR negativo feito menos de 36 horas antes, em vez de 72 horas. E esses viajantes também precisarão fazer um teste de antígenos ao chegar ao aeroporto.

A França vai discutir essas medidas com seus parceiros europeus no início da próxima semana e elas podem ser aplicadas aos que viajam para o país partindo de outros países. (Com AFP)

Redação Jogo do Poder