Geral Internacionais Política

Contágios por covid-19 disparam na véspera do Natal pelo mundo

Os contágios de covid-19 prosseguem em alta no mundo na véspera do Natal, consequência da rápida propagação da variante ômicron, que motivou Espanha e Grécia a impor novamente o uso obrigatório da máscara nas ruas a partir desta sexta-feira.

Em seu discurso de Natal, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson fará um apelo aos compatriotas para que tomem uma dose da vacina contra a covid, depois que o país superou nos últimos dois dias a marca de 100 mil novos caso de coronavírus em 24 horas.

Para o Natal, “sempre há algo maravilhoso que você pode dar de presente para sua família e o país inteiro (…) se vacinar, seja a primeira, a segunda ou a dose de reforço”, afirma na mensagem que será veiculada nesta sexta-feira.

Na Espanha, a partir desta sexta-feira todos serão obrigados a usar a máscara em locais abertos.

E na região da Catalunha, as autoridades retomaram o toque de recolher de 1h00 às 6h00 e limitaram os encontros ao máximo de 10 pessoas antes das festas de Natal.

A Grécia também determinou o uso da máscara em locais fechados e abertos a partir desta sexta-feira e até 2 de janeiro. “Há muito movimento durante as festas de fim de ano e as multidões se reúnem a céu aberto”, disse o ministro da Saúde, Thanos Plevris.

O governo da Itália também pretende retomar a obrigatoriedade da máscara em locais abertos, mas não divulgou a data da entrada em vigor da medida.

Nos Estados Unidos, onde a variante ômicron é dominante, 265.770 novos casos foram registrados na quinta-feira, mas o balanço não dissuadiu milhões de cidadãos de viajar para celebrar o Natal e o fim do ano com suas famílias.

Mais de 109 milhões de pessoas devem viajar de avião, trem ou carro entre 23 de dezembro e 2 de janeiro no país, número 34% maior que no ano passado.

Os deslocamentos são acompanhados por um aparente aumento no ritmo de vacinação, especialmente das doses de reforço – o país aplicou 1,3 milhão destas doses nas últimas 24 horas.

“O melhor presente que podem receber é uma dose de reforço”, tuitou Cyrus Shahpar, diretor da Casa Branca para dados sobre a covid-19.

Vacina obrigatória no Equador

O Equador tornou obrigatória a vacinação contra a covid-19 para a sua população a partir dos cinco anos de idade por causa da variante ômicron, o primeiro país do mundo a anunciar a medida.

O país tem 69% dos 17,7 milhões de habitantes com o esquema vacinal completo.

O Chile, com mais de 86% da população totalmente vacinada, anunciou que vai aplicar uma quarta dose do imunizante anticovid a partir de fevereiro, a começar pelos grupos mais vulneráveis.

E o número de vacinas disponíveis aumentou na quinta-feira com a aprovação da Organização Mundial da Saúde (MOS) ao primeiro fármaco produzido na América Latina, uma versão da vacina da AstraZeneca fabricada em conjunto pela argentina mAbxience e a mexicana Laboratórios Liomont.

Estudos na África do Sul, Escócia e Inglaterra mostram que a ômicron apresenta menor risco de hospitalização que a variante delta.

De acordo com a agência de saúde britânica, as pessoas infectadas com a ômicron têm 50-70% menos probabilidades de internação.

Os cientistas, no entanto, pedem cautela. Embora a infecção seja menos virulenta, por sua propagação mais rápida, a ômicron pode afetar mais pessoas, o que faria com que, em termos absolutos, o número de hospitalizados e falecidos aumentasse em um ritmo que provocaria o colapso do sistema de saúde.

Fonte: AFP