Destaques Geral Local Política

O Antagonista: Ciro Nogueira, “do quadrilhão do PP a filho 05 de Bolsonaro”, é recordista em gastos de cota parlamentar

O senador piauiense e presidente nacional do Progressistas, Ciro Nogueira, foi o congressista que mais gastou a cota parlamentar em setembro, o chamado “cotão”. A informação foi publicada nessa terça-feira, 27, pelo portal O Antagonista.

O site revelou que Ciro Nogueira “gastou R$ 24,3 mil somente com despesas de locomoção, hospedagem, alimentação e combustíveis, segundo o Portal da Transparência do Senado. Foi o maior valor gasto mensal com esses itens desde o início do ano”.

O senador, durante esse período de campanha, tem percorrido o interior do Piauí prestigiando os candidatos a prefeitos e vereadores montando uma rede de apoiadores para disputar o governo do Piauí em 2022.

O Antagonista revela que Ciro Nogueira gastou R$ 9,1 mil com combustível para aviões e R$ 12 mil com aluguel de veículos. O senador usou R$ 1,1 mil da cota parlamentar para comprar cápsulas de café.

Quadrilhão do PP

O site destacou ainda, semana passada, que Ciro Nogueira é expoente do Centrão e, mesmo sendo réu no STF (Supremo Tribunal Federal) por organização criminosa no “Quadrilhão do PP”, conseguiu emplacar mais um aliado em órgão federal, referindo-se a José Trabulo Júnior.

“José Trabulo Júnior, conhecido nos bastidores da política do Piauí como ‘puxa-saco profissional’ do senador, assumiu no mês passado uma diretoria na Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em Brasília”, assinala O Antagonista.

E continua: “Em agosto deste ano, Trabulo já tinha conseguido um emprego de assessor parlamentar no gabinete de Ciro no Senado. Ciro Nogueira, que tem se gabado por ser considerado no Palácio do Planalto o filho “05” de Jair Bolsonaro, já tem braços seus na Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales de São Francisco e Parnaíba) e no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), comandado hoje por seu ex-chefe de gabinete, Marcelo Pontes.

“Além de réu no ‘Quadrilhão do PP’, partido que preside, Ciro é denunciado por suposto recebimento de R$ 7,3 milhões em propinas da Odebrecht. Ele foi da base de Lula, enquanto deputado federal, e de Dilma Rousseff e Michel Temer, como senador. Tem o projeto político de se tornar governador do Piauí em 2022”, conclui O Antagonista.

Redação