Destaques Geral Local Política

Grupo tucano vive a “Síndrome da Fadiga” em Teresina

Dois expoentes da política teresinense afirmaram que o PSDB vive em Teresina a “Síndrome da Fadiga”. Para o presidente da Câmara Municipal, vereador Jeová Alencar, candidato à reeleição pelo MDB, a gestão do grupo comandado pelos tucanos na capital está “fadigada e cansada”. Integrante da Comissão Municipal do PDT, Dr. Francisco Pedrosa acentuou que o grupo do Palácio da Cidade foi acometido da “fadiga de material”, ou seja, uma estrutura que apodreceu.

De acordo com o vereador Jeová Alencar, essa tal de “fadiga” é a responsável pelo não crescimento do candidato tucano Kleber Montezuma nas pesquisas, estando sempre em terceiro lugar em todos os levantamentos feitos até agora. Dr. Pessoa, candidato do MDB à prefeitura, é quem vem mantendo a dianteira, em primeiro lugar, muito distante do candidato do prefeito Firmino Filho (PSDB). A segunda colocação vem sendo mantida pelo candidato do PL, deputado federal Fábio Abreu.

“Vejo uma fadiga de imagem, uma fadiga dessa administração de mais de 30 anos. As pessoas querem poder experimentar uma nova administração. Acho que o PSDB já deu sua contribuição . Não tem mais o que mostrar para Teresina. Esse é o sentimento hoje que a gente vê na cidade“, afirmou ele.

“Por isso o Dr. Pessoa está aí há quase dois anos consolidado na liderança das pesquisas de intenção de votos. Daqui a 20 dias, nós temos como avançar muito mais nas pesquisas e quem sabe até ganhar no primeiro turno”, profetizou o vereador.

Na avaliação do presidente da Câmara, se houver realmente um segundo turno, a perspectiva é que dois nomes da oposição disputem a prefeitura. “A gente vê hoje consolidado Dr. Pessoa e o deputado Fábio Abreu, também bem posicionado nas pesquisas. Ele vem se mantendo como segundo colocado, e não tenha dúvida que, além do Pessoa, são reais as chances do deputado Abreu ir para o segundo tempo do processo”, analisou o parlamentar da Câmara Municipal.

“Fadiga de material”

Essa “fadiga” do PSDB também é vista pelo médico Dr. Francisco Pedrosa, que é um dos grandes líderes do PDT na capital e apoiador do candidato Dr. Pessoa. Para ilustrar a situação do PSDB em Teresina, ele lembra o antigo PFL, que não tendo mais como se manter como uma sigla partidária de peso na capital e no Estado, resolveu sacrificar Átila Lira, que era conhecido como um grande realizador no setor da educação no Estado tal qual querem vender para a população os tucanos em Teresina com Kleber Montezuma. Átila foi, por duas vezes, candidato a prefeito nas eleições de 1985 e 1988, além de candidato a governador, em 1994, sem, contudo, obter êxito em nem uma dessas jornadas. Com tantas derrotas, o PFL sumiu do cenário político como sigla partidária.

Da mesma forma, segundo Dr. Pedrosa, o PSDB vive esse drama na capital, o da “fadiga de material”, que pode ser compreendido, de acordo com a física, como uma ferramenta, um objeto ou uma estrutura corrompida, apodrecida, que não sustenta mais qualquer estrutura.

“O poder, ao longo do tempo, além de criar vícios, ele corrompe, cristaliza posturas erradas. Esse propalado voto do PSDB não é voto popular, é voto comprado. Eu trabalhei na rede de saúde do município e sei como eles fazem, eles aparelham estruturas de poder, conselhos. Mas agora chegou o momento em que o povo está percebendo que não dá mais. E quando o povo não suporta mais, eles podem comprar o céu e a terra. Não vai ser fácil para o Dr. Pessoa, mas nós vamos ganhar”, concluiu.

Redação