Destaques Geral Local Política

FMS realiza testagem para hepatites virais em centros de saúde

Este mês, é desenvolvida a campanha “Julho Amarelo”, que tem por finalidade reforçar as ações de vigilância, prevenção e controle das hepatites virais. Como ação dessa campanha, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) faz testagem em pacientes no momento de atendimento em centros de saúde da capital e em Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Nesta quinta-feira (22), as ações de testagem para as hepatites BC e C foram realizadas no Centro Integrado de Saúde Lineu Araúo (Cisla). Veja outras datas e locais de realização da testagem, sempre pela manhã:

  • 26/07 – HGV;
  • 28 e 29/07 – HU;
  • 30/07 – Lineu Araújo.

Essa testagem ocorre com frequência nas Unidade Básicas de Saúde (UBS) que também dispõem dos testes. É importante porque a doença é silenciosa e demora anos para aparecerem os sintomas.

O infectologista da FMS, Kelsen Eulálio, fala sobre as complicações da doença quando não é tratada. “As hepatites são inflamações no fígado, tem como causa principal as infecções virais. As do tipo B e C são muito perigosas porque podem permanecer por longos anos sem sintomas e evoluir para complicações como cirrose, câncer de fígado e até provocar a morte. A hepatite B pode ser adquiridas por relações sexuais desprotegidas e pelo sangue. A transmissão pelo sangue é mais frequente nos materiais perfuro-cortantes não esterilizados”, explica o infectologista.

Marilene Oliveira, responsável técnica pela vigilância das hepatites virais da FMS, informa que este ano foram notificados 58 casos e que a testagem é muito importante. “Estamos focando mais na prevenção e no aumento de oferta de teste rápido para a população porque ainda é muito baixa a quantidade de testagem”, diz. Ela informa que os atendimentos pelo SUS dos pacientes com hepatite acontecem no Lineu Araújo, Hospital Universitário (HU) e ambulatório do HGV e que a medicação é disponibilizada para esses pacientes.

Hepatites

Nem sempre a doença apresenta sintomas, mas quando aparecem, estes se manifestam na forma de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No caso específico das hepatites virais, que são o objeto da campanha Julho Amarelo, estas são inflamações causadas por vírus classificados pelas letras do alfabeto em A, B, C, D (Delta) e E.

Hepatite A: tem o maior número de casos, está diretamente relacionada às condições de saneamento básico e de higiene. É uma infecção leve e se cura sozinha. Existe vacina.

Hepatite B: é o segundo tipo com maior incidência; atinge maior proporção de transmissão por via sexual e contato sanguíneo. A melhor forma de prevenção para a hepatite B é a vacina, associada ao uso do preservativo.

Hepatite C: tem como principal forma de transmissão o contato com sangue. É a principal causa de transplantes de fígado e pode causar cirrose, câncer de fígado e morte. Não tem vacina.

Hepatite D: causada pelo vírus da hepatite D (VHD) ocorre apenas em pacientes infectados pelo vírus da hepatite B. A vacinação contra a hepatite B também protege de uma infecção com a hepatite D.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda, com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E, que é menos frequente no Brasil.

Jogo do Poder

Fonte: FMS