Destaques Geral Local Política

Ausência de Kleber Montezuma em debate com professores pode custar sua ida para o 2º turno, afirma sindicato

Pegou muito mal a ausência do candidato a prefeito de Teresina pelo PSDB, Kleber Montezuma, em debate promovido pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sindserm) na noite dessa quarta-feira, 28, pelo Canal YouTube. O debate, envolvendo os professores da rede municipal de ensino, teve a participação de 11 candidatos, dos 12 que estão na disputa, menos o de Montezuma, ex-secretário de Educação do Município, e isso pode lhe custar a passagem para o 2° turno. E um detalhe: o evento foi realizado no Dia do Servidor Público.

Mediado pela jornalista Ohana Luize, o debate era um dos mais esperados nesse momento de acirramento da campanha para prefeito de Teresina, tendo em vista que envolveu as demandas do conjunto dos servidores públicos municipais, especialmente dos trabalhadores da educação. Os professores estão em greve há mais de sete meses reclamando do não cumprimento de várias medidas legais por parte da administração municipal e da falta de diálogo da gestão em relação às aulas remotas em decorrência da pandemia da Covid-19.

Do debate participaram os candidatos Dr. Pessoa (MDB), Fábio Novo (PT), Major Diego Melo (Patriotas), Pedro Laurentino (UP), Fábio Abreu (PL), Gessy Fonseca (PSC), Simone Pereira (PSD), Lucineide Barros (Psol), Gervásio Santos (PSTU), Mário Rogério (Cidadania) e Fábio Sérvio (PROS).

A coordenação do Sindserm, que viabilizou o debate de forma virtual, lamentou a ausência do candidato tucano. Para o coordenador da entidade, professor Sinésio Soares, isso pode custar a ida de Kleber Montezuma para o segundo turno das eleições. E a participação dos professores no debate, segundo ele, é um retrato de que a grande maioria dos servidores está insatisfeita com a gestão tucana. “Muitos ainda podem até votar nele por medo”, disse o sindicalista.

O Sindserm vem denunciando constantemente que a gestão de Kleber Montezuma na educação municipal e do prefeito Firmino Filho (PSDB) tem como grande marco a perseguição e o assédio moral a professores. Além disso, o então secretário não seria o gestor do diálogo, do enfrentamento das demandas dos trabalhadores da educação, que, por isso, estão em greve desde março deste ano.

O Sindserm representa o conjunto de aproximadamente 22 mil servidores da prefeitura de Teresina, e os candidatos, através do debate promovido pela entidade, tiveram a oportunidade de conhecer mais de perto os reclames da categoria e de ter um contato mais real com os problemas daqueles que prestam relevantes serviços à população da cidade.

Todos os candidatos lamentaram a ausência de Kleber Montezuma. De forma unânime, todos declararam que essa falta não justificada estaria demonstrando o descompromisso e o desrespeito do candidato tucano com os servidores públicos municipais.

Ameaça

Ao final do debate, a mediadora apresentou um comunicado do Sindserm sobre a professora Dione Lima Araújo, que acionou o sindicato para reclamar de uma possível ameaça que estaria recebendo pelo seu celular por conta da denúncia que fez através de vídeo em redes sociais demonstrando a farsa das aulas remotas.

A professora denuncia ainda, pelo vídeo, alteração de notas de alunos que são enviadas ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), do Ministério da Educação, para que sejam computadas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). “Isso é pra dizer que Teresina tem a melhor educação, mas não é verdade”, afirma a professora no vídeo.

Por sugestão de Fábio Sérvio, todos os candidatos que participaram do debate concordaram em prestar solidariedade à professora que enviou o print da ameaça.

Veja aqui – Professora denuncia farsa das aulas remotas e falsificação de notas de alunos das escolas da Prefeitura de Teresina

Redação