Destaques Geral Municipios Política

Antigas cadeias públicas do Piauí são transformadas em casas de cultura

No Piauí, quatro antigas cadeias públicas foram reformadas para abrigar casas de cultura

Ressignificar, dar outro sentido a um fato ou espaço marcado por algo negativo ou sofrimento. No Piauí, quatro antigas cadeias públicas foram reformadas – e ressignificadas – para abrigar casas de cultura.

Em Jerumenha, a cadeia de 1851, hoje, é o Espaço Cultural Amélia de Freitas Beviláqua. O prédio, que estava abandonado há anos, ganhou reforma e um investimento de R$ 186 mil do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult).

O nome da casa homenageia a escritora e jornalista Amélia Beviláqua, nascida em 1860, em Jerumenha. “Era um prédio abandonado, em ruínas, que podia servir para abrigar um espaço de cultura para a cidade. No início de 2020 conseguimos concluir esse projeto e entregar a obra para a população de Jerumenha”, diz o secretário de Estado da Cultura, Fábio Novo.

A ideia de transformar antigas cadeias em espaços culturais não parou por aí. Um ano depois, foi entregue em São Raimundo Nonato o Espaço Cultural Hamilton Barreto. Foram investidos quase R$ 600 mil na obra. “É um local de valorização da cultura de São Raimundo Nonato. Além da recuperação de toda a estrutura física, foi criada sala para aulas de teclado e violão. As artesãs da cidade ganharam um cantinho especial, para expor seus produtos e para ministrar oficinas de artesanato”, completa o secretário.

O nome do espaço é uma homenagem ao músico Hamilton Barreto de Araújo, que nasceu em 1928, em São Raimundo Nonato. Hamilton foi um grande estudioso da música, possuía profundo conhecimento teórico, era compositor e multi-instrumentista. A obra incluiu a recuperação das estruturas das paredes, teto e recuperação do forro, do piso, pintura da área externa e interna, além das instalações hidráulicas e sanitárias, acessibilidade e recuperação de toda rede telefônica e informática.

Em São João do Piauí, a Biblioteca Osvaldo Santos, onde antes também funcionava uma cadeia da cidade, ganhou reforma e modernização com apoio do Sistema de Incentivo Estadual à Cultura (Siec).

Ao Norte do Piauí, em Campo Maior, a cadeia de 1856 vai abrigar a Casa de Formação Cultural de Jovens e Crianças. A iniciativa leva o ensino da música para cerca de 60 crianças e jovens da cidade e é uma ação da Associação Juventude Solidária, por meio do projeto Lar da Juventude.

Eles foram contemplados com recursos da Lei Aldir Blanc e, com isso, transformaram o prédio antes abandonado, doado pela Prefeitura, num espaço de arte.

“Trata-se de um prédio histórico que mantém seus traços arquitetônicos. As portas e janelas foram restauradas pelo Mestre Dico. Com o dinheiro da lei, o grupo adquiriu também novos instrumentos musicais e vai poder pagar bolsas para os professores da instituição. É mais uma antiga cadeia que perdeu suas celas e ganhou salas de aulas. O ensino da música vai espantar a tristeza, a tortura e a solidão que um dia fizeram parte desse espaço”, finalizou o secretário da Cultura, Fábio Novo. (Secult)

Jogo do Poder