Destaques Geral Local Política

Wellington Dias: Brasil perde tempo e governadores querem imunização da população brasileira até julho

Os governadores do Brasil rebateram, nessa sexta-feira (30), a declaração do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, de que o Brasil deve completar a vacinação até o mês de dezembro. De acordo Wellington Dias (PT), governador do Piauí, presidente do Consórcio Nordeste e coordenador do tema vacina do Fórum de Governadores, não é razoável esperar a vacinação dos brasileiros para dezembro, quando o resto do mundo está com calendários mais acelerados e há condições de manter um cronograma para até agosto de 2021.

“O Brasil não vai aguentar. O país já perdeu tempo demais na imunização do nosso povo. Nações com as mesmas condições de laboratórios que os nossos estão completando a imunização do seu povo, neste mês de maio à junho. Pelo Fórum dos Governadores vamos seguir trabalhando e buscando alternativas de mais vacinas para alcançar a imunização de cerca de 70% ou mais da população brasileira até julho, no máximo agosto próximo, pois somente neste patamar teremos um ambiente para uma retomada segura da economia e recuperação do social”, disse Wellington Dias.

Para o governador piauiense essa é uma situação vexatória e que os governadores e a população não vão se conformar com essa meta e cobra ações mais enérgicas. “A Argentina, a Venezuela, o Chile, os Estados Unidos estão vacinando toda a população e o Brasil atrasado. Isso não é razoável, primeiro porque é possível manter a regra e a meta de imunização para até julho/agosto deste ano. Temos condição de produzir IFA tanto pela Fiocruz, quanto pelo Butantan e a União Química. Temos agora uma oferta maior de vacinas prontas, de IFA para entrega, de vacinas a partir de maio/junho deste ano em diversas partes do mundo. E nós vamos, pelo Fórum dos Governadores, seguir desta mesma forma, trabalhando para mais vacinas, para mais vacinação neste pacto pela vida, para salvar vidas e sairmos com um programa de vacinação mais cedo como uma saída econômica e social”, destacou Dias.

Jogo do Poder