Geral Municipios Política

Vice-governadora visita projeto de moradia popular em Esperantina

A vice-governadora Regina Sousa, acompanhada do presidente da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), Themístocles Filho, da deputada Flora Izabel e da diretora da Agência de Desenvolvimento Habitacional (ADH), Gilvana Gayoso, visitaram, nesta sexta-feira (03), em Esperantina, um projeto de moradia popular executado em regime de mutirão e baixo custo.

A casa de 47 metros quadrados foi entregue à Antônia Maria da Silva, mãe de sete filhos e moradora da comunidade Mundo Novo, zona rural de Esperantina, há 11 anos e há oito dias está morando na casa nova. A dona de casa expressou sua alegria ao receber a casa nova.

“Fiquei muito feliz, porque era muito difícil para mim, não teria condições de construir sozinha. A vida agora está uma maravilha, pois minha casa antiga era de palha e agora tenho uma casa nova para morar com meus filhos”, disse emocionada.

A casa possui dois quartos, varanda, banheiro e cozinha americana, foi construída em dois meses e custou menos de R$ 20 mil. A diretora da ADH falou se é possível replicar esse projeto de moradia a baixo custo nos projetos habitacionais do Governo do Estado.

Estamos muito felizes em ver a dona Antônia e seus filhos sendo contemplados com uma casa aqui na comunidade Mundo Novo, isso nos inspira para que a gente busque projetos como este, pelo programa PRO Social a preço de custo, com o envolvimento por parte da comunidade e de lideranças da região. É uma ideia fantástica, vimos como é possível e vamos tentar, com a experiência que temos de execução de vários projetos, reduzir os custos e levar para o âmbito institucional do Governo do Estado”, afirmou Giovana Gayoso.

Regina Sousa, relatou que o projeto é inspirador e será estudada uma forma que possa ser inserido no PRO Social. “Estamos com um programa de melhoria habitacional, que queremos fazer nesses moldes, a pessoa recebe o recurso, administrado pela ADH, e que as pessoas possam construir com o menor custo possível. Dessa forma, sem contrato com construtora é possível fazer mais barato. Então há sim a possibilidade, vamos estudar a melhor forma de fazer”.

O presidente da Alepi, Themístocles Filho, explicou que conheceu a história da dona Antônia e mobilizou a comunidade e lideranças políticas para ajudar na construção. “Essa casa foi feita com muita gente ajudando. Aqui teve bingo e muita gente fez doações de tijolos e cimento e foi assim que essa casa foi construída. Estamos mostrando à vice-governadora que se o Governo do Estado adotar um regime de mutirão, o custo de uma casa dessa sai, no máximo, a R$ 19 mil”, frisou o deputado.

Jogo do Poder

Fonte: CCom