Destaques Geral Local Política

Serviço Florescer é símbolo de acolhimento às mulheres e suas crianças em Teresina

O mandacaru é uma planta encontrada no semiárido nordestino. Sobrevivendo a longas temporadas de secas e repleta de espinhos, ela floresce. Com essa lição e símbolo, a Prefeitura de Teresina, através da Secretaria de Políticas Públicas Para Mulheres (SMPM), aperfeiçoou um dos programas da casa e renomeou como “Florescer”, onde acolhe e empodera mulheres e suas crianças em situação de vulnerabilidade em Teresina. Com três unidades, localizadas na zona Sudeste, Norte e zona rural, o serviço possui previsão de inauguração de mais uma unidade na região Sul, até o fim deste ano.

Fundado em 2015, o Florescer inicialmente foi pensado para mulheres e crianças de um a dois anos e onze meses, com 100 vagas em cada unidade. “Antigamente o serviço funcionava apenas para mães. No entanto, após uma série de estudos e pesquisas, percebemos a necessidade de fazer o serviço ser voltado para vez mais para mulher”, explica a secretária de Políticas Públicas para Mulheres, Karla Berger. “Por conta disso, após a reformulação na atual gestão da Prefeitura de Teresina, através do Doutor Pessoa, o serviço funciona de portas abertas para toda e qualquer mulher de Teresina em situação de vulnerabilidade”, ressalta a secretária.

Ao completarem três anos, as crianças são encaminhadas para as CMEIs (Centros Municipais de Educação Infantil). Hoje, o Florescer funciona de portas abertas para todas as mulheres dos bairros que estão em situação de vulnerabilidade. “Foi um passo muito positivo no serviço, ele se tornou verdadeiramente mais acolhedor para a mulher teresinense que mora em comunidade, que vive vulnerabilidades econômicas, sociais, psicológicas e outras violências”, ressalta Nathalie Ciarlini, psicóloga da SMPM.

Nathalie ainda explica que o local não configura como creche. Enquanto a mãe está em atividades do serviço ou indo ao trabalho, a criança fica no local realizando atividades educativas e socioemocionais. Ainda assim, quando completa três anos, a criança possui uma vaga garantida em uma escola do município. “É outra vantagem do programa, uma vez que garante a inserção educacional das crianças”, pontua a psicóloga.

Um ponto de começo e recomeço

O trabalho desenvolvido no Florescer segue pilares de cidadania e dignidade à mulher de Teresina. Visando o empoderamento financeiro são ofertados cursos como manicure e pedicure, balconista de farmácias e atendimento. Todas as capacitações são realizadas em parceria com a Fundação Wall Ferraz, entre outros.

“São oportunidades que essas mulheres nunca tiveram para além do lar. Elas se empoderam, se enxergam como capazes. É o benefício da qualificação: atribuir poder para elas”, conta Maria Lourdes, a Malu, coordenadora do Florescer Sudeste.

Benildes Machado, uma das mulheres atendidas pelo serviço, reforça o que foi dito pela coordenadora. A dona de casa, que não tem emprego fixo e possui um filho atendido pelo Florescer, se formou como manicure profissional e pretende ter um empreendimento para sua liberdade financeira. “Abracei o curso como todas as amigas atendidas. Olha, é empoderador saber que podemos exercer um trabalho feito com as nossas mãos. Dignifica-me”, conta a mulher.

Outro ponto trabalhado dentro do projeto de aperfeiçoamento do Florescer é a introdução do atendimento psicológico nas unidades. Nas três unidades, as coordenadoras relataram que a terapia foi bem aceita entre as mulheres.

“Saúde mental é um tema de urgência. Na zona Rural, ainda há um estigma sobre apoio psicológico, por ser algo cultural e do machismo, claro. A mulher é construída para ser forte, um pilar da família, que não pode demonstrar ‘fraqueza’. Mas elas receberam muito bem, querem participar e estão assíduas nas sessões, o que mostra que o cuidado não é apenas com o corpo, mas com a mente”, contou a coordenadora do Florescer Salobro, Layse Oliveira Leal.

O Florescer é um ponto de começo. Dentro dos programas, as mulheres criam amizades e vínculos com as atendidas e funcionárias. Grupos de danças, como os realizados pelo Florescer Norte, foram iniciativas das próprias mulheres para estarem cada vez mais conectadas.

Em Teresina, serviço da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres desenvolve atividades para integrar mulheres e crianças em situação de vulnerabilidade. Foto: Divulgação (SMPM)

 

Grupos de aplicativo WhatsApp, compostos por mulheres estão presentes em todos os núcleos, são uma forma de comunicação externa para compartilhar fotos dos momentos, prestar depoimentos e agradecimentos. As Sun Flowers, mulheres mães que construíram o grupo de dança do Florescer Norte, criaram o Instagram das atividades das dançarinas. Na biografia da rede social, se identificam como trabalhadoras, empoderadas e lindas.

“É um ponto de começo e recomeço para muitas delas. O serviço tem muitos dos símbolos que carrega, o mandacaru que floresce, apesar dos seus espinhos, são como essas mulheres, com dores, mas reconhecem sua beleza, sua força, seu poder feminino. As ações do serviço abrem essas oportunidades. Ela floresceu de verdade, tudo se conecta, funciona. Muda vidas de verdade e para melhor”, afirma Maria Lourdes, coordenadora do Florescer Sudeste.

Ainda por conta da comunicação, foi que Francilene Cavalcante, de 48 anos, conseguiu montar seu próprio negócio. A mulher, que era atendida pelo Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência – Esperança Garcia (Creg), outro serviço oferecido pela SMPM, passou a ser acompanhada pelo Florescer e realizou um curso de artesanato.

Ela começou a frequentar o serviço sem compromisso, através de amigas pelo WhasApp, mas desde que foi inserida, é uma das mulheres mais assíduas do Florescer. Através das amigas que conquistou no serviço, é motivada diariamente a fabricar seus produtos e vender para comunidade. “Aqui sinto vontade de viver”, conta emocionada. “Fiz amigas, faço acompanhamento psicológico e sou muito bem tratada. Sou uma nova mulher”, finaliza.

Foto: Divulgação (SMPM)

 

Jogo do Poder

Fonte: Semcom