Destaques Geral Local Política

Povo de Teresina dá seu testemunho pelo desejo de mudança e assume campanha de Dr. Pessoa

O médico Dr. Francisco Pedrosa, liderança do Partido Trabalhista Brasileiro (PDT) no Piauí, fez uma análise das últimas pesquisas de intenção de voto que estão sendo divulgadas uma em cima da outra para prefeito de Teresina e faz uma observação: “Ao que parece, definitivamente, a população da cidade está resolvida mesmo a tomar seu destino nas suas próprias mãos. Isso porque entra pesquisa e sai pesquisa, e o Dr. Pessoa continua na frente desde sempre”.

Teresina vem sendo comandada pelo grupo político do PSDB há mais de três décadas. Para as eleições deste ano, o prefeito Firmino Filho impôs ao partido o nome do professor Kleber Montezuma, seu ex-secretário de Educação, para lhe substituir no Palácio da Cidade, depois de quatro mandatos.

Mas, segundo Dr. Pedrosa, depois de mais de 30 anos de gestão tucana, a população da cidade, notadamente, os segmentos mais carentes, continua sem acesso aos benefícios sociais de uma democracia moderna, como educação de qualidade; saúde pública universal, resolutiva e eficaz; transporte público que atenda a todos de forma digna; falta de moradia para as classes mais pobres e a persistência falta crônica do emprego, que dignifica e liberta o cidadão.

“Essa política mesquinha, de imbecilizar os jovens pela má educação, subornar e comprar as ditas lideranças comunitárias e de bairros – pois são lideranças pela perda do caráter para o vil metal – essa política nefasta, até que enfim acordou o monstro que produziu. E ao acordar, esse monstro criado pela máquina azeitada pelo dinheiro do povo, via prefeitura, vai agora destruí-los e se reconciliar com a cidade”, preconizou Pedrosa.

Pedrosa disse ainda que a educação do PSDB, chamada ‘educação bancária’, no lugar de educar pra libertar, oprime; e os educadores são contra; a própria figura do candidato [Kleber Montezuma] é autoritária, é uma impostura. “Com o Orçamento do Município beirando os 4 bilhões de reais por ano, daria para investir mais de 1 bilhão na área social, com retorno social significante para Teresina”, acentuou.

A células (ou cédulas) do voto

Agora, para desmontar o quartel-general dos tucanos instalado há mais de três décadas no Palácio da Cidade, está havendo consciência coletiva. Porque a prefeitura de Teresina se transformou ao longo dos anos em uma máquina poderosa a serviço do voto, com células espalhadas por todos os cantos da cidade nas figuras de algumas lideranças comunitárias, de manda-chuvas comunitários devidamente recompensados. Uma máquina que a cada eleição se renova, com engenheiros “dinheiramente” qualificados para distribuir a matéria-prima que altera, lubrifica pesquisas e consciências coletivas não politizadas. Mas o teresinense parece estar disposto a sair da mesmice, está fazendo uma leitura mais reflexiva dessa realidade e manifesta desejo de virar essa página, que não descreve crescimento e nem avanços para uma cidade que quer ser metrópole.

O que se observa em Teresina, na opinião de conceituados analistas políticos, é uma política de encabrestamento das lideranças comunitárias ao longo de mais de 30 anos. Mas agora, ao que parece, como afirma Dr. Pedrosa, a população acordou e começa a despertar para essa estratégia maléfica que coloca a capital e o seu povo em uma estrada que não dá acesso a nada. Coloca a cidade girando num círculo vicioso que a impede de avançar, ao contrário do que se observa em outras capitais ao nosso redor.

Desespero e milícias

O desespero tucano é tão grande que apelam agora para o que está na moda: as Milícias Digitais, que saem do submundo da Internet para tentar desprezar, desqualificar e destruir reputações dos que se atrevem a enfrentar o poder do tucanato na capital. E uma dessas vítimas é justamente o Dr. Pessoa, do MDB, que ameaça seriamente quebrar esse ciclo político viciado que se instalou em Teresina.

Uma das maiores virtudes do embate político é o respeito ao eleitor e o respeito mútuo entre candidatos. Mas os tucanos não seguem esse princípio quando se veem ameaçados. Dr. Pessoa vem sendo achincalhado em redes sociais pelo seu jeito humilde, pelo seu jeito de falar, sem respeitarem a história de um cidadão que em sua viagem na trajetória da vida tem como principal passaporte as mãos limpas, o que não se pode dizer do tucanato, que agora se vê às voltas com investigações da Polícia Federal por corrupção e desvio de verbas que foram destinadas para atender a quem padece da pandemia da Covid-19. “Um crime hediondo”, como afirma o ex-deputado Robert Rios, candidato a vice-prefeito na chapa de Dr. Pessoa

Trajetória

Dr. Pessoa é o típico homem do campo, que passou a infância e a adolescência nas profundezas do sertão piauiense com deficiência nutricional em decorrência da pobreza extrema. Só aprendeu a ler e a escrever aos 15 anos de idade, logo porque tinha que ajudar a família no trabalho da roça. Ainda jovem veio para Teresina.

Como tantos outros, resolveu se aventurar mundo afora para conquistar seu espaço, seu lugar ao Sol. No Rio de Janeiro, em Teresópolis, trabalhou e estudou. Pelo seu esforço e força de vontade, formou-se em Medicina pelo Centro Universitário Serra dos Órgãos com especialização em Cirurgia-Geral, Saúde Pública, Administração Hospitalar e Medicina do Trabalho. Uma conquista das mais impossíveis pela sua história de vida. Dr. Pessoa exerceu magistério em Cirurgia-Geral onde se graduou e tornou-se titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.

De volta a Teresina para aplicar a sua especialidade médica, tornou-se diretor de hospital municipal e do Serviço de Urgência e Emergência do Hospital Getúlio Vargas, o maior do estado, além de ser professor adjunto da Universidade Federal do Piauí. Voluntariamente, oferece sua especialidade para ajudar 80 mil pessoas ao longo da sua vida de médico, de forma gratuita.

Na política, foi vereador de quatro legislaturas seguidas e depois se elegeu deputado estadual dos mais atuantes.

Com uma trajetória dessa, o mínimo que se espera dos seus adversários é respeito. Eleição se ganha no voto, na confiança do eleitor, nas propostas apresentadas, na vida ilibada. E isso Dr. Pessoa tem de sobra. Apesar de algumas pesquisas com suspeitas de serem manipuladas, não conseguem, assim mesmo, tirar-lhe da liderança. É o povo dando seu testemunho por mudanças.

Aliás, depois de uma pesquisa considerada “fajuta”, por Robert Rios, colocando empate técnico entre Dr. Pessoa e Kleber Montezuma, outro estudo foi divulgado, colocando o candidato do MDB muito distante do segundo colocado, Kleber Montezuma.

Pelo Instituto Datamax, que divulgou pesquisa nessa segunda-feira, 26, Dr. Pessoa aparece na liderança absoluta, com 39,27% das intenções de voto, enquanto o canditado tucano vem muito atrás, com 21,18%, com mais de 18% atrás do primeiro colocado.

Redação