Destaques Geral Local Política

Pegaram mal tentativas de conquistar capital político com a morte do ex-prefeito Firmino Filho

O discurso foi visto por muitos como inadequado, uma estratégia politicamente rasteira

Repercutiram mal, muito mal mesmo, as falas da deputada estadual Lucy Soares (Progressistas) sobre sua pretensa ocupação de vácuo político deixado pelo ex-prefeito de Teresina Firmino Filho, que foi encontrado morto na tarde desta terça-feira, 6 de abril. Claro que ela tem, como política e viúva do ex-gestor, todo o direito de reivindicar par si esse capital político, as bandeiras e o legado daquele que deixou sua marca na cidade que governou por quatro mandatos. Mas em cima do caixão, seu discurso foi visto por muitos como inadequado, oportunista, porque o momento era de respeito e de silêncio, ou apenas de exaltar a figura que deixou a vida de forma inesperada, dramática e surpreendente, causando profunda comoção em toda a Teresina.

Destacar, de forma impensada, que contágios, mortes e colapso na rede hospitar de Teresina e do Piauí em decorrência da pandemia da Covid-19 tem a ver com má gestão dos que hoje governam o Estado e a capital do Piauí, foi vista como uma estratégia politicamente rasteira da deputada, quando se observa que esses problemas atingem todo o país. Evidentemente que o discurso da viúva do ex-prefeito é aplaudido por ícones do Progressistas, partido a que pertence, porque todos sabem da tentativa de confronto com o governador Wellington Dias que desde o ano passado vem tentando o presidente nacional da sigla, senador piauiense Ciro Nogueira, depois que cortou relações e parcerias com o gestor petista.

Em relação à gestão da capital, que tem no comando o prefeito Dr. Pessoa (MDB), a crítica da deputada também é vista com bons olhos pelo Progressistas, cujo grupo amargou derrota nas eleições municipais do ano passado, em Teresina. Essas “palmas” em favor da fala da deputada são como uma espécie de represália contra a campanha pobre, mas vitoriosa do emedebista, que brigou apenas com as ideias em confronto com o poder econômico de uma dezena de partidos liderados pelo PP na campanha eleitoral de 2020.

Ora, o então prefeito Firmino Filho vinha enfrentando, no seu último ano de mandato, em 2020, o drama do avanço da pandemia no município, a exemplo de todo o país, sendo obrigado a adotar medidas duras para promover o distanciamento social, atitude considerada necessária para evitar a contaminação. Mesmo assim, como todos sabemos, o colapso já era previsto. Por isso mesmo, a crítica, o discurso rasteiro em cima do corpo do ex-prefeito não faz sentido.

O governador Wellington Dias e o prefeito de Teresina, como bem manda a urbanidade política, preferiram não se manifestar sobre o discurso fúnebre da deputada Lucy Soares. Mas vereadores, como Evandro Hidd (PDT), Enzo Samuel (PDT), Valdemir Virgino (Progressistas) e Dudu Borges (PT), pediram respeito à figura do ex-prefeito Firmino Filho. Para eles, não seria o momento de fazer política em cima do corpo do ex-gestor.


Enterro do ex-prefeito Firmino Filho

“É algo prematuro. Firmino será sem dúvida insubstituível. Firmino foi Firmino. Lógico que do ponto de vista político o tempo vai dizer. Nada se força. Quem vai dizer é o povo. É prematuro. Nesse momento prefiro lembrar do prefeito Firmino Filho. Preferia tê-lo aqui do que discutir quem vai assumir seu legado. Para mim, perdi um amigo e um líder”, afirmou Enzo Samuel.

Entre os adversários, o vereador Jeová Alencar avalia que será a cidade que irá decidir sobre o legado. “Firmino deixou um legado de trabalho, de obras, de homem que acordava cedo vestia a camisa da cidade e trabalhava. Fomos aliados e adversários. Na última campanha fomos adversários. Sempre tivemos o respeito. Mas acredito que o prefeito deixa um legado de obras e trabalho. Quanto a questão política, a cidade vai escolher. Esse momento é mais de dor e sentimento de perda. A questão política é inoportuna. O mundo da política gira e vive de projetos e especulações. Mas nesse momento é mais de reflexões”, destacou.

Já o vereador Dudu assim se manifestou: “Quero expressar solidariedade à família do ex-prefeito Firmino Filho, deputada Lucy e seus filhos. É com tristeza que nessa tarde de terça-feira recebemos essa triste notícia. Essa perda irreparável para toda a sociedade do Piauí e, em especial, de Teresina”. Para ele, o ex-prefeito cumpriu sua missão em vida e teve uma rápida, mas brilhante carreira política no Piauí. O vereador sempre teve em lado oposto ao do ex-prefeito, mas reconhecendo sua importância para a cidade e evitando conotoção político-partidária em torno da sua morte.

O vereador Valdemir Virgino disse que fica um vazio para o grupo político que era liderado por Firmino. “É muita tristeza. O povo de Teresina também sente. Não conseguimos entender como acontece algo dessa natureza. Para nós, é com muita tristeza que recebemos essa notícia. Teresina perde um grande líder. Mesmo a forma discreta, mas era uma pessoa que liderava. Teresina perde muito. Para o grupo político, fica esse vazio”, disse.

Os teresinenses ainda vão demorar algum tempo para assimilar essa tragédia da morte de Firmino Filho. E é preciso que os atores da política respeitem isso, afinal, até mesmo em política, onde tudo é possível, há também limites. Limites que têm a ver com bom senso e com uma prática política construtiva, propositiva – e não destrutiva.

Redação Jogo do Poder