Destaques Geral Local Política

Pastor Silas Malafaia ataca Ciro Nogueira por suposta conspiração no governo Bolsonaro

O pastor Silas Malafaia, aliado do presidente Jair Bolsonaro, divulgou nesta segunda (11) um vídeo prometido desde a véspera e dirigido ao “povo abençoado do Brasil” para centrar fogo no ministro Ciro Nogueira, da Casa Civil.

Malafaia citou reportagem de domingo (10) da Folha, sobre uma articulação de ministros palacianos para emplacar o presidente do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) no STF (Supremo Tribunal Federal), para criticar o prócer do PP, uma das abelhas-rainhas do centrão.

Como que “o ministro da Casa Civil, um dos mais importantes cargos políticos, vai jantar com Renan Calheiros?”, questiona o pastor.

O nome de Alexandre Cordeiro de Macedo, um presbiteriano, foi defendido em dois jantares ocorridos em Brasília na semana passada, dos quais Ciro, Renan e outras figuras políticas participaram.

Renan Calheiros (MDB-AL) é o relator da CPI da Covid, um dos focos de desgaste da gestão bolsonarista. Em entrevista à Folha, o senador chamou Bolsonaro de “mercador da morte” e “facínora” por sua conduta durante a pandemia do coronavírus.

O pastor indaga como Ciro poderia conspirar com um “cara que quer destruir Bolsonaro por interesses políticos”, peça central no que define como “CPI da safadeza”.

O titular da Casa Civil, Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e Fábio Faria (Comunicações) estão entre os que buscam alternativa ao nome de André Mendonça, o ex-advogado-geral da União que foi indicado por Bolsonaro à vaga aberta com a saída de Marco Aurélio Mello.

Também presbiteriano, Mendonça é apoiado pelos líderes evangélicos. E Cordeiro simplesmente não convence a comitiva pastoral de que é um homem de fé.

“Lembra de Constantino? Imperador de Roma?”, diz à reportagem o deputado e pastor Marco Feliciano (PL-SP), um dos braços evangélicos do ocupante do Palácio do Planalto. “Quando cristianizou seu reino, se tornou viável ser cristão para obter o favor do imperador.”

Foram mal recebidas as conversas acerca de uma alternativa a Mendonça, nome combatido a todo custo por Davi Alcolumbre (DEM-AP). Presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, ele ainda não marcou a sabatina de Mendonça na Casa e não esconde sua rejeição ao indicado.

“Bolsonaro nos assegurou que a indicação de um evangélico passa por, nós líderes evangélicos”, diz César Augusto, apóstolo da igreja Fonte da Vida. “Esse compromisso o presidente tem com a liderança evangélica.”

O deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), da igreja de Malafaia, foi ainda mais incisivo: cabe ao grupo dizer se um nomeado ao STF é de fato um homem temente a Deus.

“Quem tem autoridade moral para dizer ao presidente se ele realmente é evangélico ou não somos nós. Estão achando que vão enganar quem? Vocês não são evangélicos”, diz ele, que presidirá a bancada evangélica no ano eleitoral de 2022.

No domingo, Malafaia havia antecipado no Twitter que compartilharia um vídeo para sustentar que dois ministros de Bolsonaro “perderam a condição moral” de seguir no cargo.

Decidiu poupar Fábio Faria, que disse não ter se sentado à mesa que discutiu o assunto. O anfitrião de um dos jantares, o ministro Bruno Dantas (Tribunal de Contas da União), também afirma que não defende Cordeiro ou debateu seu nome.

Já Ciro virou seu alvo preferencial. Em tom de ameaça, o pastor diz que, “se o senhor Ciro não foi no jantar” e “é a favor da indicação de André”, deve convocar a imprensa para deixar clara sua posição.

“O senhor é obrigado a vir a público dar uma satisfação. Ministro, você é obrigado a emitir nota clara de apoio a André Mendonça.”

O pastor sugeriu que Flávia Arruda faça o mesmo: diga publicamente que não tem nada a ver com conspirações para enfraquecer Mendonça. Ou emitem uma nota ou encaram a fúria pastoral. “Isso é uma vergonha, minha gente. Onde é que nós vamos parar? Que história é essa?”

Um líder evangélico que acompanha de perto a querela recorreu à brasileiríssima analogia futebolística para descrever a mensagem passada por Malafaia: é como um cartão amarelo dado a Ciro, uma última chance antes de ir a Bolsonaro cobrar a expulsão do ministro.

Alcolumbre, por exemplo, já saiu das graças evangélicas por sua demora em agendar a sabatina de Mendonça no Congresso. Pastores pressionam políticos com a promessa de mobilizar fiéis contra a reeleição deles em seus estados natais.

Os evangélicos são hoje uma das mais fortes bases de apoio do bolsonarismo, e o presidente se afiança na boa relação com alguns dos principais líderes de igrejas do país para conquistar esse eleitorado religioso em 2022.

Jogo do Poder

Fonte: Folha de São Paulo