Destaques Geral Local Política

Observatório da Mulher Teresina divulga estudo sobre violência e suicídio

A pandemia da Covid-19 trouxe inúmeras consequências para a saúde mental. Na vida das mulheres, situações que já eram desgastantes mentalmente foram potencializadas, aumentando o adoecimento mental, é o que revela o levantamento feito pelo Observatório Mulher Teresina, vinculado à Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM).

Conforme dados fornecidos pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) obtido através do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), o Observatório Mulher Teresina aponta que nos anos de 2019 e 2020, os registros de violência entre pessoas e tentativas de suicídios são expressivamente maiores entre mulheres de Teresina.

“O contexto de isolamento social, com a intensificação da convivência familiar no ambiente doméstico no período de pandemia aumentou o risco para a vida de mulheres”, afirma Suzianne Santos, técnica do observatório.

Segundo a técnica, o primeiro ano de pandemia por COVID-19 em Teresina, houve um aumento de ambos tipos de violência para as mulheres e uma diminuição para os homens. Entre as mulheres, a violência cometida por parte de outras pessoas é um pouco maior do que a violência contra si mesma. Já entre os homens, o registro de tentativas de suicídio é maior do que a violência entre pessoas.

O estudo revela ainda que nos registros de 2019 e 2020, 70% e 71% dos casos de violência entre pessoas foram praticadas contra as mulheres, respectivamente. Nas tentativas de suicídio, as mulheres apresentam os maiores percentuais nos dois anos, ocorrendo também um pequeno aumento em 2020. Enquanto nas tentativas de 2019, elas representavam 69%, o percentual foi de 70% em 2020.

Distribuição percentual da violência interpessoal e tentativa de suicídio , segundo sexo, teresina 2019 a 2020.

OMT/SMPM, 2021 Fonte de dados: SINAN-NUVIVA/FMS

“Os dados analisados pelo Observatório Mulher Teresina, estima-se que entre 2019 e 2020, mulheres teresinenses tentaram suicídio 1 a 2 vezes mais que homens.A jornada ampliada de trabalho – remunerado e não remunerado – e a centralidade da mulher no cuidado com os outros representam uma maior sobrecarrega física e emocional”, destaca Suzianne Santos.

Uma preocupação levantada pelo estudo é a relação entre a vivência em violência e o sofrimento, que pode levar a episódios de depressão, ansiedade e tentativa de suicídio. A coordenadora Suzianne Santos destaca que alguns estudos relacionam o maior sofrimento psíquico e possibilidade de tentativa de suicídio em mulheres que sofrem violência doméstica e/ou familiar, ressalta ainda que, além de serviços especializados  em saúde mental, é fundamental o acompanhamento fornecido por serviços especializados da Rede de Atendimento à Mulher em Situação de violência, como o Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), que contribuem no enfrentamento à situação de violência e fortalecimento da autonomia dessas mulheres.

“É importante enfatizar a predominância de tentativa de violência contra si das mulheres negras (pretas e pardas), sendo 41% dos casos em 2019 e 37% em 2020, que neste grupo, o maior o percentual é o de mulheres pardas (35% em 2019 e 30% em 2020). Entendendo que em 2020, apresenta-se um pequeno aumento entre as mulheres pretas (6% em 2019 e 7% em 2020)”, disse a técnica baseados nos dados gráficos apresentados pelo observatório.

Distribuição percentual de violência autoprovocada, segundo raça/etnia, sexo feminino, Teresina, 2019 a 2020

OMT/SMPM, 2021 Fonte de dados: SINAN-NUVIVA/FMS

Observatório Mulher Teresina finaliza o estudo ressaltando a relação entre saúde mental e o modo como a sociedade estrutura suas relações sobre gênero, raça/etnia, sexualidade e classe. O machismo, sexismo e racismo trazem consequências objetivas e subjetivas nas trajetórias de vida e perspectivas sobre a vida, sendo importante pensar em políticas públicas integradas de enfrentamento a discriminações e de garantia a direitos.

Jogo do Poder

Fonte: Semcom