Destaques Geral Local Política

O blefe da pré-candidatura a vice da chapa tucana e progressista em Teresina

“Nadar, nadar e morrer na praia”, antigo ditado que pode significar fazer algo por muito tempo, que precise exercer muito esforço e no final do processo, não conseguir atingir o objetivo. Isso pode se aplicar muito bem ao trabalho de escolha do pré-candidato a vice-prefeito na chapa de Kleber Montezuma (PSDB) em Teresina. Tanto o atual prefeito, Firmino Filho (PSDB) como o senador Ciro Nogueira (PP), que integra a coligação, fizeram muito mistério e anunciaram que seria uma grande surpresa para Teresina o nome do pré-candidato a vice. Claro que o nome escolhido, vereador R. Silva (PP), merece respeito, mas toda a pompa que anunciaram não passou de um blefe.

Diante desse mistério vestido de pompa, ventilou-se vários nomes para compor essa chapa, como o da própria mãe do senador, Eliane Nogueira, bem como o do ex-prefeito Sílvio Mendes, o da deputada federal Iracema Portela e o do deputado estadual Júlio Arcoverde, presidente estadual do PP. O próprio Kleber Montezuma engrossava essa onda de mistério, afirmando que seria da sua preferência uma companheira de chapa do sexo feminino.

Como vemos, o nome guardado a sete chaves e com tanto mistério era o do vereador R. Silva. Com toda a consideração ao vereador, não foi um nome de peso, como anunciaram. Mesmo porque até o próprio vereador confessou surpresa com a escolha do seu nome. “Fui pego de surpresa. Estava fazendo a minha pré-campanha de vereador para Teresina, mas fico honrado com essa escolha feita pelo senador Ciro Nogueira e os Progressistas. Eu sou um soldado do partido e aceito essa missão que me foi dada”, disse. E o lançamento do seu nome foi realizado na sua própria residência, no bairro Água Mineral, zona Norte da Capital.

Mas por que R. Silva? A explicação que rola nos bastidores da política é a de que R. Silva poderá levar o pré-candidato a prefeito para o interior das comunidades tanto urbana como rural, facilitar essa convivência. Mas, para um cidadão que há várias décadas participa da gestão tucana em Teresina, ainda não conhece essas comunidades, ainda não conhece Teresina? E o prefeito Firmino Filho não poderia exercer esse importante papel? Ou será que ambos não conhecem realmente as agruras da população que sempre esteve na periferia dessa gestão que tenta se eternizar no Palácio da Cidade?

Outra justificativa é a dificuldade que tem o senhor Kleber Montezuma de lidar com as adversidades, com os contras, da ausência de um discurso que vá ao encontro dos mais necessitados. Bem como a incapacidade de assimilar as cobranças, críticas e opiniões adversas. Afirmam, então, que R. Silva poderia ajudar o pré-candidato tucano nesse sentido. Está aí um difícil desafio. Para então fazer decolar essa pré-candidatura em situação periférica na opinião pública.

Redação