Geral Local manchetes

Nova pesquisa – Dr. Pessoa segue absoluto e lidera todos os cenários das eleições para a Prefeitura de Teresina

Nova pesquisa divulgada pelo Instituto Amostragem nesta quinta-feira, 20, para as eleições municipais 2020 coloca o pré-candidato Dr. Pessoa, do MDB, absoluto na primeira colocação na corrida para o comando da Prefeitura de Teresina. Na intenção de voto estimulada, a pesquisa destaca o médico-cirurgião com 33,06%, seguido por Fábio Abreu, do PR, com 20,99%. O pré-candidato apoiado pelo prefeito Firmino Filho, o ex-secretário de Educação Kleber Montezuma, aparece muito atrás, com apenas 9,92%.

Nesse mesmo cenário, a pesquisa mostra Fábio Novo (PT), com 5,29% de intenção de voto estimulada para prefeito de Teresina. Major Diego (Patriota) vem em seguida, com 2,64%, empatado com o pré-candidato Valter Alencar (PSC). Fábio Sérvio (PROS) tem 1,32%, seguido por Lourdes Melo (PCO), com 0,83%; Simone Pereira (PSD), com 0,66%; Pedro Laurentino (UP), com 0,33%; e Mário Rogério (Cidadania) aparece com 0,17%.

Nessa mesma modalidade de pesquisa do Instituto Amostragem, 11,07% dos eleitores afirmaram que não votariam em nenhum dos pré-candidatos apresentados na pesquisa. Já os que ainda não sabem em quem votar ou que não quiseram opinar são 7,93%. Os que votariam em branco ou anulariam o voto somam 3,14%.

Votos válidos

A pesquisa também destacou que o pré-candidato Dr. Pessoa lidera a intenção de voto válido, quando exclui eleitores que declararam não votar em nenhum dos pré-candidatos, não souberam opinar ou escolheram votar em branco ou nulo, como contabiliza o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no fechamento dos votos. A pesquisa mostra que, neste caso, Dr. Pessoa dispara e chega a 42,46%.

Fábio Abreu aparece em seguida, com 26,96%; depois vem Kleber Montezuma, com 12,74%; Fábio Novo, com 6,79%; Major Diego e Valter Alencar, cada um com 3,4%. Fábio Sérvio vem atrás, com 1,7%; Lourdes Melo, com 1,06%; Simone Pereira; com 0,85%; Pedro Laurentino aparece com 0,42%, e Mário Rogério, com 0,21%.

Redação