Destaques Geral Local Política

No Piauí, 47,31% da população carcerária estão inseridos em atividades educacionais

Segundo o novo levantamento de Informações Penitenciárias do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), 47,31% da população carcerária do Piauí estão inseridos em atividades de educação e trabalho. Os dados são referentes ao primeiro semestre de 2021. No ano passado, o Piauí representava um percentual de 34,56% de pessoas privadas de liberdade inseridas nestas atividades, representando um crescimento.

Para o secretário de Justiça, Carlos Edilson, os dados demonstram um avanço no que diz respeito à inserção dos internos em programas que têm o intuito de ressocializar e diminuir o índice de reincidências criminais.

“O levantamento concretiza nosso esforço para implementar atividades de trabalho, profissionalização e educação no sistema penitenciário piauiense. Nós acreditamos que, através da educação, conseguimos transformar a vida dos internos que cumprem pena em nossas penitenciárias. Com o interno ressocializado, ele não volta para o crime. Nosso objetivo maior é trabalhar, cada vez mais, para ampliar essas oportunidades.”, completou.

Neste ano, a Sejus conseguiu inscrever 1090 detentos e detentas no Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade 2021 (Enem PPL), superando 680 inscritos em 2020, representando um crescimento de 60,3%. A aplicação das provas está programada para os dias 9 e 16 de janeiro de 2022.

Além do recorde de número de inscritos no Enem PPL, este ano, o Piauí se destacou alcançando o segundo lugar, dentre os estados brasileiros, no número de reeducandos inscritos no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade (Encceja PPL). O ranking também foi divulgado pelo Depen.

Profissionalização e certificação nas unidades penais

Desde 2015, a Sejus tem certificado reeducandos (as) em todo Piauí. Em todas as unidades penais do nosso estado são ofertados cursos de Panificação, maquiador(a), microempreendedor(a) individual, vendedor(a), assistente administrativo, entre outros. As ofertas oportunizam a capacitação profissional das pessoas privadas de liberdade.

“Nós temos um compromisso de promover a reinserção social e profissionalização destes internos e internas, para que, quando estiverem fora do sistema prisional, possam recomeçar suas vidas de forma digna”, completou o secretário de Justiça.

Fonte: Sejus