Geral Internacionais Política

No 75º aniversário da ONU, Rússia diz que o mundo continua enfrentando ‘ameaças graves’ e pediu união

Advertindo que o mundo continua sob graves ameaças, o chanceler da Rússia pediu em seu pronunciamento alusivo ao 75º aniversário da ONU união e atenção especial às tarefas de repelir ameaças de natureza transfronteiriça, garantindo a segurança das informações internacionais e concluindo o processo de descolonização “o mais rápido possível”.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, apoiou o apelo do secretário-geral da ONU, António Guterres, por um cessar-fogo global em tempos de pandemia do coronavírus e pediu para “interromper os esforços para enfraquecer o controle de armas , desarmamento e não proliferação “.

Durante seu discurso por ocasião do 75º aniversário da criação da ONU, Lavrov lembrou as “conquistas” dos fundadores da organização para “salvar as gerações futuras do flagelo da guerra, instituir a fé nos direitos humanos e criar as condições para uma ordem mundial justa e para o progresso social. ”

“Devemos todos lembrar as lições da história e honrar a façanha dos soldados libertadores”, destacou Lavrov, segundo a RT.

Nesse sentido, o ministro russo lamentou que alguns países tendam a “dar por garantidos” esses avanços, sendo o principal deles a vitória sobre o nazismo. Lavrov se referiu às tentativas “absolutamente absurdas” de revisar a história e menosprezar o papel dos povos que contribuíram decisivamente para a vitória sobre o fascismo. “Devemos todos lembrar as lições da história, honrar os feitos dos soldados libertadores e garantir a segurança dos monumentos erguidos em sua glória”, disse o alto funcionário.

Ao mesmo tempo, Lavrov observou que o mundo continua enfrentando “ameaças graves” hoje, como conflitos em várias regiões, terrorismo internacional, tráfico de drogas, crimes cibernéticos, mudança climática e a pandemia de Covid-19. Segundo o ministro, “é cada vez mais difícil responder” a estes problemas, especialmente no contexto da “crescente desunião da comunidade mundial”.

O chanceler disse que esta situação “em grande medida” se deve à “indisposição de alguns países em levar em consideração os legítimos interesses de outros Estados”. Esses países tentam interferir nos assuntos internos de outras nações, usam sanções unilaterais “em violação das prerrogativas do Conselho de Segurança da ONU” e mostram “intolerância e ódio”.

Portanto, o mundo precisa “fortalecer a assistência mútua e a cooperação abrangentes”, enfatizou Lavrov. “É de extrema importância para nós hoje reafirmar nossa adesão à Carta da Organização das Nações Unidas e às normas universalmente reconhecidas do direito internacional, enfatizar a falta de alternativas ao multilateralismo genuíno e intensificar esforços para buscar coletivamente soluções para os problemas globais com o papel central e coordenador da ONU”, declarou o ministro.

O chanceler também advertiu que “os mandatos dos principais órgãos do sistema das Nações Unidas não devem ser prejudicados”.

“O mundo precisa fortalecer a assistência mútua e a cooperação abrangentes”

Ao mesmo tempo, “uma das principais tarefas” da comunidade mundial deve continuar a ser a de resolver os conflitos “exclusivamente” por meios pacíficos, políticos e diplomáticos, no âmbito de formatos de negociação internacionalmente reconhecidos e com base nas normas do direito internacional. , ao mesmo tempo que amplia a cooperação na luta contra o terrorismo e sua ligação com o crime organizado “deve permanecer uma prioridade incondicional”.

Além disso, Lavrov pediu a garantia da segurança das informações internacionais e a conclusão do processo de descolonização “o mais rápido possível”.

O ministro também pediu “a suspensão dos esforços para enfraquecer o controle de armas, o desarmamento e a não proliferação”, “dando especial atenção às tarefas de repelir ameaças de natureza transfronteiriça, incluindo aquelas associadas ao destacamento de combatentes terroristas estrangeiros em zonas de conflito e ameaças de terrorismo químico e biológico ”, bem como“ garantir a utilização do espaço exterior para fins pacíficos ”.

“O destino da ONU está nas mãos de seus Estados membros. Mais uma vez, como em 1945, devemos deixar de lado as diferenças e nos unir em nome da solução de problemas comuns com base no diálogo igualitário e no respeito mútuo. dos interesses ”, concluiu Lavrov, acrescentando que o organismo“ cria todas as condições necessárias para isso ”. (247)

Redação