Geral Internacionais Política

Holanda coloca população em isolamento e fecha serviços não essenciais por causa da ômicron

Haia, 18 dez (EFE).- O governo da Holanda decretou neste sábado o confinamento da população, que entrará em vigor amanhã, além do fechamento, até 14 de janeiro, pelo menos, de toda as atividades não essenciais no país, assim como de escolas e universidades.

As medidas são formas de tentar combater a propagação da variante ômicron do novo coronavírus e foram definidas em reunião de emergência entre os integrantes da cúpula do Executivo.

Em entrevista coletiva, o primeiro-ministro interino, Mark Rutte, explicou que poderão seguir abertos estabelecimentos como supermercados, farmácias e postos de gasolina, enquanto restaurantes, cinemas, teatros e academias deverão parar atividades.

Além disso, também deverão fechar os salões de beleza, cabeleireiros e barbearias. Instalações esportivas fechadas também deverão suspender o funcionamento.

O esporte ao ar livre será permitido, no entanto, em um horário limitado. Ficam proibidos eventos culturais, shows, entre outros, e o número de convidados para cerimônias ficará limitado a 100.

Ainda de acordo com as medidas anunciadas hoje, será permitido um número máximo de dois visitantes em cada residência por dia, com exceção do período de 24 a 26 de dezembro e da noite de réveillon, quando há autorização para quatro pessoas.

O chefe de governo da Holanda falou em tom de lamento sobre “voltar mais uma vez ao confinamento” e destacou que a medida é “inevitável, pois a ômicron se propaga mais rápido do que se temia”.

Segundo Rutte, a variante será dominante no país, ou seja, responderá pelo maior número de novas infecções pelo novo coronavírus, ainda antes do fim deste ano.

Embora tenha sido anunciado um “confinamento rígido”, e o primeiro-ministro tenha pedido para que as pessoas evitem sair de casa, ele garantiu que será possível ir à rua para compras essenciais ou para caminhadas, sem controle policial.

Rutte, no entanto, fez um apelo para que, sempre que possível, a população adote o trabalho remoto.

O diretor do Centro de Controle de Doenças Infecciosas da Holanda, Jaap van Dissel, também participou da entrevista coletiva e disse que, apesar das incertezas sobre a ômicron, já se sabe que os anticorpos acumulados até agora não protegem de maneira suficiente.

Por causa disso, o especialista cobrou que todos qu não tenham se vacinado procurem logo um local para receber a aplicação de dose de imunizante, o que vale também para as pessoas aptas ao reforço, que estará disponível para os adultos a partir de 7 de janeiro.

De acordo com dados oficiais, na Holanda, 84% das pessoas com mais de 12 anos contam com esquema completo de vacinação, sendo que 1,48 milhão de pessoas já receberam a dose extra.

Segundo o Instituto de Saúde Pública do país, nas últimas 24 horas, foram registrados mais 14.742 casos de infecção pelo novo coronavírus e 50 mortes por covid-19.

Nos hospitais, 2.373 pacientes estão internados com sintomas da doença, sendo que 637 ocupam leitos de UTI – além de 19 que foram transferidos para a Alemanha.

Fonte: EFE