Destaques Geral Local Política

Firmino Filho parece mais preocupado com eleição para governador em 2022

O prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), vem fazendo projeções para definir, com antecedência, quem do seu grupo, formado pelo PSDB e PP, será o candidato a governador nas eleições de 2022. Segundo o tucano, a escolha será feita por pesquisas. O nome que estiver melhor colocado será o candidato ao cargo maior do Estado. Lideranças adversárias e até as que, menos influentes, compõem o mesmo grupo para as eleições municipais deste ano estão estranhando essa preocupação da cúpula formada pelos dois partidos com as eleições de 2022, em plena campanha ainda para prefeito em 2020.

Firmino vem procurando se posicionar como escolha para a candidatura a governador, que também tem o nome de Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas, e o senador Elmano Férrer, recém-filiado ao PP, depois de navegar por vários partidos nos anos de Congresso.

Para Firmino, Elmano fortalece muito as candidaturas de oposição. “Fortalece também em cada cidade do Piauí. Sempre importante dizer que estarão os melhores no nosso palanque em 2022. Se o Elmano for o melhor, será nosso candidato. Da mesma forma o Ciro. Se for o melhor será o governador. Se eu não estiver bem para nada, vou apoiar os dois e pregar faixa e cartaz. Fundamental é ter a oposição com o melhor time para ganhar”, afirmou.

E a campanha para prefeito, como fica?

Críticos opinam que Firmino Filho está, na verdade, projetando o fim do reinado do seu grupo político de pelo menos 30 anos no Palácio da Cidade, sede da prefeitura de Teresina, já que o candidato por ele imposto (Kleber Montezuma), depois de brigas que provocaram o afastamento de Charles Silveira e Sílvio Mendes da cúpula tucana, não decola, não sai da terceira colocação, muito longe do primeiro colocado, que é o emedebista Dr. Pessoa, disparado nas pesquisas de intenção de voto desde o ano passado.

O tucano e seu grupo estariam então ensaiando voos mais altos.

João Vicente condena essa atitude

O ex-senador João Vicente Claudino, presidente estadual do PTB, partido aliado do PL nas eleições de Teresina e que tem o deputado federal Fábio Abreu como candidato a prefeito, critica essa postura do grupo tucano e progressista. Para ele, o fato de escolher um lado hoje não é pressuposto de que os entendimentos vão perdurar por mais dois anos.

“Está todo mundo afobado, 2020 nem passou e só querem falar de 2022. Escolhi um lado em 2020, em 22 ninguém sabe. Não vamos nos precipitar e nem nos afobar. Tem que ter serenidade. Vamos ver os cenários, ver o rumo que a política vai tomar. Vejo com muita preocupação. Pra mim, em se tratando de política, uma noite é um longo prazo, imagina dois anos”, pondera João Vicente.

Redação