Geral Municipios Política

Fim de espera e incertezas para pequenos agricultores dos assentamentos Saco Grande e Serra do Coroatá

“Esta terra aqui, onde vocês estão, é de vocês!” A afirmação foi proferida pela atual diretora da Escola Piauiense de Trânsito, Patrícia Leal, durante a solenidade de entrega dos Títulos de Propriedade Definitiva de Terra, nesta sexta-feira (17/12), em Altos.

O evento aconteceu na Paróquia de São Francisco e marcou o fim de uma década e meia de luta e sofrimento para as 196 famílias de pequenos agricultores e agricultoras do assentamento estadual Serra do Coroatá, que receberam o documento de propriedade de terras, doadas pelo Governo do Estado, dentro do programa de regularização fundiária desenvolvido pelo Instituto de Terras do Piauí (Interpi).

Presentes à solenidade, muitos dos beneficiários exaltavam, com alegria e alívio, o significado de receber o título de terras e relembraram muitos outros momentos de contentamento comunitário, mas também de muito angústia, incertezas, pavor e ameaças de despejo e de violência que enfrentaram, enquanto reivindicavam o direito à terra.

História de luta relembrada também na fala de outros presentes, como o deputado Warton Lacerda, que destacou a longa luta da comunidade, o empenho de todos que abraçaram a causa, como o Padre João da Cruz e a ex-prefeita Patrícia Leal, dentre tantos e o marco histórico fundamental para a conclusão do conflito, transcorrido em 2015, quando o governador Wellington Dias determinou o imóvel como fim social.

“Depois de muitas lutas e da coragem da Patrícia, na época prefeita de Altos, de ter ido diretamente ao governador, alertá-lo sobre a situação de conflito tenso que as famílias de pequenos agricultores estavam sofrendo, sob ameaça de armas apontadas e de tanta incerteza, um dia, o governador Wellington Dias ligou para ela avisando que havia assinado naquele momento o decreto de desapropriação, transformando a terra em imóvel público de uso para fim social. É preciso agradecê-lo por sua sensibilidade e coragem, porque ele realmente foi sensível ao sofrimento de vocês, deu sua palavra e cumpriu, atendendo ao pedido da Prefeita e pondo fim na história de angústia do nosso povo”, declarou Warton Lacerda.

O parlamentar também destacou a importante contribuição do diretor-geral do Interpi, Chico Lucas, durante todo o processo de luta e vitória da comunidade. “Na época do conflito e luta da comunidade pela terra, Chico lucas era advogado da Prefeitura de Altos, trabalhou muito pela causa na justiça, juntamente com o (advogado) Marcelo Mascarenhas e, agora, como gestor do Interpi, fez essa regularização da terra acontecer, juntamente com sua equipe. Seremos eternamente gratos ao governador Wellington Dias por sua coragem, seremos eternamente gratos ao Chico Lucas, por sua competência e compromisso”, finalizou.

A vice-governadora Regina Sousa parabenizou aos agricultores e suas famílias pela vitória, mostrando também sua sensibilidade e identificação com a luta de todos que vivem da agricultura familiar e que sofriam com a exploração e ameaças do latifúndio.

“Quero dizer pra vocês que eu sei o que é não ter vez, eu sei o que é não ter terras pra viver e trabalhar. A minha infância e adolescência, passei vendo meu pai ser despejado, mandado ir embora, não ter casa, porque ele não foi trabalhar para o patrão, num dia em que chovia; ele tirou um dia para trabalhar ali na rocinha dele e foi mandado embora por isso. Assim, desde meus dez anos de idade, eu já sabia o que era reforma agrária, latifúndio e exploração dos trabalhadores.”

Regina Sousa recomendou aos novos proprietários dos lotes de terra regularizada pelo Governo do Estado, que, agora, construam uma história de produção, preservação e de valorização do que é deles e de suas famílias.

“Preservem a história desse assentamento. Estou vendo que tem muitas fotos aqui da luta de vocês. Guardem, façam um memorial para que seus filhos, netos e bisnetos saibam que isso (a propriedade da terra) não foi de graça, foi fruto de uma luta e de muita resistência de vocês ao sofrimento de tantos anos. Preservem, preservar é investimento. Criem projetos de produção coletivos, porque a economia solidária é o futuro deste país”, finalizou Regina Sousa.

Estiveram presentes ainda Francisco Guedes, vereadores Zé Ernandes, Zé Nunes, Verlandim, Nathan e Adaildo Pancadão, a supervisora de ensino de altos, Ritinha Raulino, e Edvânia Leal, da Primeira Serventia Extrajudicial de Registro Geral de Altos, cujo empenho e boa vontade de contribuir para a finalização do processo, com o registro cartorial dos documentos, foi destacado na solenidade.

Mais 112 famílias beneficiadas com doação de terras em Canavieira

A sexta-feira foi de sentimento de vitória também para mais 112 famílias no município de Canavieira. Ali, os trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar do assentamento estadual Saco Grande receberam seus títulos de propriedade de terras das mãos do secretário de Fazenda e coordenador do PRO-Piauí, Rafael Fonteles, do diretor-geral do Interpi, Chico Lucas, além dos deputados Francisco Limma e Francisco Costa, encerrando o longo período de uma luta pela terra que teve início em 1989, portanto, mais de três décadas de resistência popular.

Dona Maria Torres, uma das fundadoras do assentamento, relembra que quando chegaram ali, não havia nenhuma estrutura, não tinha água, nem energia. Mas, a líder comunitária declara que agora, como os demais companheiros e companheiras, tem em mãos o documento de suas terras. E isso é garantia de futuro e tranquilidade para as famílias do assentamento Saco Grande.

A entrega de títulos de propriedade definitiva de terras para as famílias do assentamento Saco Grande aconteceu na Escola Mariano José Ribeiro, como parte da agenda do programa coordenador do PRO-Piauí, sob coordenação do secretário Rafael Fonteles, representando o governador Wellington Dias.

Redação: Gorete Gonzaga (Ascom Interpi) e Geneide Santos (Ascom Vice-Governadoria)

Imagens: Gabriel Paulino (Ascom Vice-Governadoria)