Destaques Geral Local Política

Fábio Novo defende gestão participativa e critica 40 anos de comando tucano na prefeitura de Teresina

“Teresina tem que ter a capacidade de dar resolução a problemas que estão aí e dá pra resolver. Eu acho que não pode é ficar 40 anos com a mesma coisa. Quem não fez em 40 anos não vai fazer agora”, assinalou o pré-candidato a prefeito de Teresina, deputado estadual Fábio Novo (PT) em reunião com correligionários nesta quinta-feira (03).

Durante o encontro, o pré-candidato apresentou propostas contidas no seu plano de governo. Fábio Novo defende uma administração participativa que tenha como propósito servir a quem mais precisa da gestão do poder público municipal. Ele fez duras críticas à atual administração do PSDB na prefeitura de Teresina, que há mais de três décadas é comandada por um mesmo grupo político. Somente Firmino Filho, o atual prefeito, já está no seu quarto mandato, ou seja, há 16 anos ocupando como gestor o Palácio da Cidade.

Em constantes visitas que vem realizando nas comunidades teresinenses, Fábio Novo tem apontado várias deficiências da gestão tucana em Teresina. E também recebe das pessoas críticas e denúncias contra a prefeitura, a exemplo do abandono do mercado que leva o nome do próprio prefeito, na zona Norte da capital, região da Grande Santa Maria da Codipi. A estrutura está abandonada há seis meses.

Integração

Andando pelas comunidades, acompanhado da assistente social Silmara Castro, pré-candidata a vice-prefeita na sua chapa, Fábio Novo também tem feito críticas ao sistema de integração de transportes urbanos de Teresina. De acordo com ele, o modelo deveria otimizar o tempo de locomoção das pessoas, mas aumentou significativamente o tempo das viagens. “As pessoas que saem de casa, querem chegar a seus lugares o mais rápido possível. A Integração fez o contrário em Teresina. Antes as pessoas gastavam 30 minutos e agora gastam 1h30. Não é essa Teresina que eu quero, que a Silmara quer. Queremos uma Teresina diferente, onde as pessoas possam se locomover melhor”, afirmou.

Redação