Destaques Geral Local Política

Em início de campanha eleitoral, candidatos de oposição reagem firmes ao baixo nível das críticas dos tucanos em Teresina

O prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), acostumado a estar sempre na frente em sucessivas campanhas para continuar com seu grupo chefiando o Palácio da Cidade, vê-se agora numa situação complicada, uma vez que seu candidato, o ex-secretário de Educação, Kleber Montezuma, continua atrás nas pesquisas de intenção de votos, estacionado na terceira colocação. A reação do prefeito tem sido ataques constantes aos candidatos de oposição. São sito alvos constantes do tucano os candidatos Dr. Pessoa (MDB), Fábio Abreu (PL), primeiro e segundo lugares nas pesquisas, respectivamente, e Fábio Novo, na quarta colocação, mas crescendo a cada levantamento.

Firmino Filho tem repetido na imprensa local que os candidatos tentam esconder que fazem parte da base do governador Wellington Dias, sem citar os nomes dos concorrentes do seu escolhido. “Talvez seja por isso que eles escondam seus mentores, com quem eles andam. Talvez seja por isso que os candidatos da oposição não digam exatamente como querem governar Teresina e com quem estão acompanhados”, ironiza.

O candidato Kleber Montezuma segue batendo na mesma tecla do seu mentor. “Eu digo claramente que sou o candidato do Firmino, do prefeito Firmino Filho. Sou o candidato que representa o modelo de administração que vem sendo feito na Prefeitura de Teresina. Agora, obviamente os outros se escondem de suas origens, não sei por quê. Mas essa é uma pergunta que eles mesmos têm que responder. Porque eles se escondem do Palácio de Karnak durante o dia, mas à noite a gente vê notícias de que eles estão juntos”, afirma.

O prefeito de Teresina chegou a citar que todos esses três candidatos da oposição “são tudo farinha do mesmo saco”, querendo com isso dizer que estão juntos dentro de um mesmo esquema político para defenestrar de vez da prefeitura os tucanos, que tentam fazer do Palácio da Cidade, ninho de eterna moradia. São cerca de 40 anos de gestão. O prefeito – acusam os candidatos de oposição – tenta levar à população o terror, o medo, a dúvida sobre a capacidade dos postulantes oposicionistas.

Reação

Essa tentativa de desqualificação dos candidatos da oposição é vista como uma estratégia tucana que poderá se repetir durante toda a campanha. É uma forma de tentar mostrar supostas deficiências no governo estadual que poderão se repetir na prefeitura de Teresina, caso alguns deles seja eleito. Ora, mas pelo que governo estadual tem feito em prol de Teresina, essa poderia até ser considerada pela população como uma grande injustiça tucana.

O candidato a vice-prefeito na chapa do Dr. Pessoa, Robert Rios (PSB), afirma que os tucanos eram quem deveriam se envergonhar com quem andam, citando apoiadores de peso que estão envolvidos com a Polícia Federal no âmbito da Operação Lava Jato. Adiantou ainda que a própria prefeitura anda enrolada com investigações federais que apontam corrupção na compra de insumos para o enfrentamento à Covid-19.

“Os colonialistas ridicularizavam Gandhi da mesma forma que o povo do Firmino ridiculariza o doutor Pessoa. “A fúria cega com que os milicianos do Firmino se atiram sobre o humilde doutor Pessoa é uma coisa diabólica”, assinala Robert Rios.

Para o candidato Fábio Novo, esse discurso antipetista não tem vez em Teresina, já que a prefeitura só realiza grandes obras com a ajuda do governo petista no Estado. Ele cita vários exemplos, destacando 5 das 6 pontes construídas na cidade, além do Hospital de Urgência de Teresina. Sem citar obras de duplicação de BRs que cortam a cidade.

Fábio Novo vai mais além. Afirma que essa retórica de que a educação de Teresina é a melhor do país não funciona mais. Há muitas cidades de pequeno porte melhores colocadas no Exame Nacional da Educação Básica (Ideb). E acusa Kleber Montezuma como responsável pela rejeição de contas da prefeitura no Tribunal de Contas do Estado. O candidato tucano, que é ex-secretário de Educação do Município, teria deixado de aplicar R$ 100 milhões na rede de ensino da cidade.

Continuando com seu discurso de desconstrução das outras candidaturas, o prefeito Firmino Filho tem dito que o candidato Dr. Pessoa não tem experiência de gestão e nem sabe falar direito. Ora, Dr. Pessoa tem uma trajetória pessoal de superação, uma história profissional de sucesso e uma performance política invejável. Todos conhecem a sua história. Esse discurso se revela como tiro do pé do tucano, haja vista que a performance do emedebista nas pesquisas eleitorais é algo inédito nas últimas décadas no enfrentamento do reino do PSDB no Palácio da Cidade. Há mais de um ano Dr. Pessoa é líder de todas as pesquisas em todos os cenários para a prefeitura da capital. O candidato tucano não avança.

O candidato do MDB lamenta a estratégia dos tucanos, quando deveria mostrar as propostas do seu candidato, o que ele poderia fazer em benefício de uma cidade que não avançou durante todo esse período de administração psdebista. Segundo Dr. Pessoa, basta andar pela periferia da cidade para sentir a ausência do poder público municipal. Para ele, a capital ficou no atraso, mesmo em época de alta tecnologia. A educação está desconectada da realidade tecnológica. O emedebista ainda se queixa de políticas públicas para beneficiar os mais vulneráveis, para incrementar o setor produtivo, para contemplar o homem do campo. “A prefeitura não existe, as pessoas mais vulneráveis e da zona rural se queixam do completo abandono da prefeitura”, pontua.

Dr. Pessoa tem repetido que não faz parte de nenhum esquema. A sua campanha para a Prefeitura de Teresina – afirma o candidato – é alicerçada pelas ideias e propostas de três partidos: MDB, PSB e PRTB. O candidato acredita que poderá vencer o pleito no primeiro turno. Não conseguindo, vai para o segundo turno, quando estará de braços abertos para receber lideranças que queiram uma “Teresina diferente para todos os teresinenses”.

Fábio Abreu, que também se posiciona fortemente nessa corrida eleitoral, vem reagindo à postura do prefeito Firmino Filho. Para o candidato liberal, que é deputado federal, o prefeito tem atacado quem está na oposição por medo do resultado da eleição. “Um desespero que ele tem mostrado. Tem ofendido pessoas que são ilibadas na nossa sociedade, como por exemplo, o senador João Vicente Claudino e até mesmo a minha pessoa, que tenho sido atacado constantemente com denunciações caluniosas, que nada têm a ver com o comportamento que temos mostrado. Estamos mostrando para o povo de Teresina que essa é uma oportunidade de mudar essa dinastia que está há mais de 30 anos e que acha que é dono de Teresina. Teresina é dos teresinenses”, assinala.

Redação