Destaques Geral Local Política

Drama Covid 19 – Teresina espera liberação de medicamentos para intubação confiscados pelo Ministério da Saúde

Como se não bastasse a situação dramática de colapso na rede de atendimento hospitalar por conta do avanço da pandemia da Covid-19, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) denuncia estoque quase zerado dos medicamentos que compõem o kit intubação, que têm menos efeitos colaterais nos pacientes tratados contra a doença. Adquiridos em janeiro deste ano pela Prefeitura de Teresina, os medicamentos foram confiscados pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o presidente da FMS, Gilberto Albuquerque, o kit intubação confiscado é a primeira escolha, mas não tem para todos os pacientes. Assim, o estoque mínimo está sendo destinado a casos especiais. “Estamos usando a segunda escolha: propofol, midazolam e outras. Nós fizemos a compra em janeiro, porém, o Ministério da Saúde bloqueou a entrega individual desses medicamentos. Então, o Ministério da Saúde confiscou todas essas drogas pra que sejam distribuídas equitativamente entre todos os estados. As indústrias não podem mais vender individual. Vendem para o Ministério da Saúde, que distribuem pra todos aqueles que precisarem”, explica o presidente da FMS.

Ao todo, foram confiscados 20 medicamentos. Gilberto Albuquerque explica que, com os medicamentos considerados segunda opção, o paciente também não sente dor e não vê o processo de intubação.

“A diferença é que a primeira escolha tem menos efeitos colaterais. Como não temos a de primeira escolha, estamos usando a segunda, e a primeira só para casos resistentes, refratários, com dificuldades. Estamos aguardando o Ministério da Saúde nos enviar essas drogas que, de certa forma, foram confiscadas ou obrigatoriamente vendidas para o Ministério da Saúde”, explica o presidente da FMS.

Estoque para 20 dias

No fim de semana, o governador Wellington Dias informou que o estoque de medicamentos atual é suficiente para os próximos 20 dias.

“Nos hospitais, temos estoque destes medicamentos para 10 dias e, no depósito, para outros dez dias. Porém, estamos agilizando um sistema de compra e tivemos uma agenda técnica com a equipe técnica do ministério para garantir a compra. Fizemos contato com os fornecedores, que são produtores diretos, credenciados no Ministério da Saúde e prometeram nos fornecer para sairmos dessa linha de risco”, explicou o governador.

Respiradores confiscados

Em abril do ano passado, o Piauí viveu o drama do confisco de respiradores. O Governo Federal reteve 80 respiradores que seriam enviados ao Piauí. Diante da situação, o juiz Márcio Braga Magalhães, da 2ª Vara Federal, determinou a devolução e os equipamentos foram entregues após busca e apreensão em São Paulo. (Com CV)

Redação