Destaques Geral Local Política

Dr. Pessoa quer solucionar problemas de abastecimento de água e produção na zona rural de Teresina

Uma das maiores preocupações do prefeito de Teresina, Dr. Pessoa (MDB), durante sua campanha para a Prefeitura da Capital, ano passado, era com a população da zona rural do município, carente de políticas públicas para atendimento de suas demandas. Uma das maiores queixas dos moradores era a falta de abastecimento de água na região. Logo que assumiu a gestão, o prefeito tratou de delegar à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos de Teresina (Arsete) a solução desses problemas.

No último dia 17, a Arsete promoveu reunião interna para debater e criar estratégias quanto à atuação da agência na zona rural de Teresina. Foram estabelecidas metas referentes ao abastecimento de água e esgotamento sanitário na região rural do município, que atualmente está na responsabilidade da concessionária Agespisa. Dentre as metas estabelecidas, foi definida a estruturação e regularização das visitas à zona rural, no sentido de informar aos moradores sobre o que é, o que faz e quando eles devem procurar a Arsete, fortalecendo o papel pedagógico e aproximando a sociedade do órgão.

Estiveram presentes na reunião, o diretor-presidente da Arsete, Allan Moreira, o diretor administrativo-financeiro, Luiz Costa, o técnico em regulação, Rafael Chaves, a assessora jurídica, Pricila Raquel, o administrador, André Oliveira, o coordenador de relação com usuários, Israell Cavalcante e a chefe de gabinete, Samantha Leal.

Iniciativas para abastecimento de água

Uma audiência pública virtual foi realizada esta semana para o debate da falta de abastecimento de água na zona rural de Teresina. O requerimento dessa audiência foi de autoria dos vereadores Leonardo Eulálio (PL), Bruno Vilarinho (PTB), Joaquim Caldas (MDB), Pollyana Rocha (PV), Edilberto Borges (PT) e Fernanda Gomes (Solidariedade).

Mesmo com a responsabilidade do abastecimento de água e esgotamento sanitário na zona rural sendo da Agespisa, muitos trabalhos de urgência são realizados pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). A secretaria atua com intuito de minimizar os efeitos sofridos pelas comunidades rurais, que muitas vezes não têm água para desenvolver as atividades mais básicas do cotidiano, como lavar as mãos, ação tão necessária na prevenção à Covid-19 .

“Essa audiência foi uma iniciativa muito pertinente. A nova gestão da Arsete pretende, dentre outras metas, elaborar parecer técnico quanto aos serviços prestados pela Agespisa na zona rural de Teresina, que será encaminhado aos órgãos e secretarias de interesse, para que seja apresentado como acontece o serviço da Agespisa na zona rural do município. Vamos cobrar, resolver e conversar sobre os problemas existentes na zona rural e sobre a concessão que a Agespisa possui. A agência tem conhecimento das situações relatadas nos povoados Mata Pasto, Boa Hora e no bairro Cerâmica Cil e deseja mudar a realidade no abastecimento de água na zona rural”, disse Allan Moreira.

O vereador Leonardo Eulálio encerrou a audiência solicitando um relatório aos vereadores que quiserem se pronunciar, feito em união com a Arsete, para ser encaminhado ao Ministério Público do Piauí e também para a Prefeitura Municipal de Teresina, haja vista a persistência de uma situação inaceitável.

Os convocados para a audiência foram o diretor da subconcessionária Águas de Teresina, Cleyson Jacomini; o presidente da Arsete, Allan Moreira; o superintendente de Desenvolvimento Rural, Ricardo Augusto; o representante da Agespisa Genival Brito de Carvalho; o diretor interino do Instituto de Águas e Esgoto do Piauí, Magno Pires; o presidente da SISA Meio-Norte, Jonas Alves, representantes da zona rural Antônio Laelson e Antônio Michel; a procuradora-geral de Justiça do Piauí, Carmelina de Moura; e o representante da Atepi Ariclenes Freitas.

Produção

Recentemente, em visita ao povoado Ave Verde, o prefeito Dr. Pessoa conversou com os produtores e destacou que seu desejo é eliminar a figura do atravessador no tocante à produção agrícola, que, segundo ele, reduz pela metade os ganhos do homem do campo ao vender seus produtos.

“Grande parte do alimento que vai para a mesa do cidadão é produzida pelos pequenos produtores, isso vem da agricultura familiar, e a nossa gestão quer priorizar e dar todos os incentivos para esses produtores, pois, além de desenvolvermos a agricultura vamos dar renda ao trabalhador”, declarou o prefeito na ocasião.

Redação