Destaques Geral Local Política

Dr. Pessoa pode decretar calamidade pública no sistema de transporte público de Teresina

O prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, anunciou que vai aplicar o plano B e contratar, de forma emergencial, empresa baiana e outras para gerir o sistema coletivo da capital, com o anúncio de paralisação de motoristas e cobradores para a partir desta quinta-feira (28). Por sua vez, o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) comentou sobre essa greve e informou que tem realizado regularmente o cumprimento do acordo feito com a Prefeitura de Teresina, incluindo as questões trabalhistas com os motoristas e cobradores de ônibus.

“Dependendo do andar das coisas, só não vou postergar, essa é uma ação firme e, aliás, já está assinado e autorizado [o decreto de calamidade pública], basta ter algum início de greve. Já está autorizado que a prefeitura tome uma decisão drástica, mas boa para o usuário e para a população”, declarou o prefeito.

Segundo o Setut, as empresas já efetivaram, na semana passada, o pagamento do acordo realizado em janeiro de 2021 entre prefeitura e Sintetro (Sindicato dos Trabalhadores Em Empresas de Transportes Rodoviários no Estado do Piauí), no valor de R$ 720 mil, como também já iniciou o pagamento das folhas que estavam em atraso. A frota da ordem de serviço acordada com o ente municipal tem sido cumprida e foi toda colocada à disposição dos passageiros do transporte coletivo de Teresina. Dessa forma, a entidade não vê quaisquer motivos para uma possível paralisação dos serviços, por parte dos trabalhadores.

“O setor de transporte público de Teresina, infelizmente, até o momento, só conseguiu alcançar 28% do passageiro transportados antes do início da Pandemia. Anteriormente, a quantidade de passageiros era cerca de 200 mil, e atualmente ainda estão em 60 mil usuários efetivos”, completou o sindicato.

Transportes alternativos

De acordo com o superintendente municipal de Transportes e Trânsito (Strans), Teresina deverá contar com 250 veículos cadastrados para fazer o transporte da população durante o movimento grevista. Além desses veículos, haverá o percentual obrigatório de ônibus que deve operar durante a greve.

“Nós já temos aqui, além dos veículos que serão empregados pelo transporte regular respeitando-se o percentual de 70% no horário de pico e 30% no entrepico, aproximadamente 250 veículos cadastrados para operar no sistema”, esclarece o superintendente.

Já sobre o transporte alternativo, que também paralisou as atividades na última quinta-feira (21) após a Strans bloquear o sistema de bilhetagem eletrônica dos veículos, Cláudio Pessoa explicou que as vans poderão operar na capital sem o validador.

“Em relação às vans, o impedimento foi somente para que elas não circulem com o validador, então elas operando, teremos mais 33 veículos aptos para prestar esse serviço a Teresina”, acrescentou.

A decisão da greve do transporte público por tempo indeterminado foi tomada durante assembleia na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários (Sintetro) na manhã desta quarta-feira (27). Segundo o presidente do Sintetro, Ajuri Dias, a greve só deverá ser encerrada com a assinatura da convenção coletiva de trabalho.

“Estamos de greve a partir de amanhã (quinta-feira), com esse objetivo principal. Na hora que assinarmos a convenção coletiva de trabalho, suspendemos qualquer movimento”, destacou o presidente.

O prefeito Dr. Pessoa (MDB) disse que sua tolerância chegou ao limite e que o decreto de calamidade pública está sendo elaborado pela Procuradoria-Geral do Município. “A prefeitura vai intervir no sistema de forma emergencial contratando a empresa e controlando a bilhetagem eletrônica.”

Jogo do Poder