Destaques Geral Local Política

Coligação responde a ataques dos tucanos contra Dr. Pessoa

A coligação “Pra cuidar da nossa gente”, que tem como candidato a prefeito de Teresina Dr. Pessoa (MDB), divulga nota em resposta a ataques do grupo tucano que tenta mais uma vez se reeleger, através do candidato Kleber Montezuma (PSDB). Ameaçados seriamente de perder o poder na capital depois de 34 anos de gestão, os tucanos agora questionam o fato de o candidato do MDB ter prestado gratuitamente atendimento médico-cirúrgico a dezenas de milhares de pessoas durante sua vida como médico.

Segundo a nota, não há fundamento jurídico que possa prejudicar a candidatura de Dr. Pessoa para prefeito de Teresina. Sobre denúncia dos tucanos colocando em dúvida essa prestação de serviços à população, a coligação esclarece que Dr. Pessoa é médico colaborador da Associação Beneficente a Favor da Vida e da Esperança, tendo realizado milhares de cirurgias gratuitas, especialmente para as pessoas menos favorecidas.

Reforça a nota que Dr. Pessoa nunca recebeu nenhum valor dessa entidade e que não serão ações judiciais, reflexo do desespero eleitoral, que farão com que o emedebista pare de fazer o bem e desenvolver sua missão como médico.

No contraponto, a coligação assinala que quem pode ter o registro de candidatura cassado pela Justiça Eleitoral é justamente o candidato tucano, por ter utilizado indevidamente recursos públicos para tentar potencializar sua pré-candidatura quando ainda era secretário municipal de Educação. Esse suposto crime está sendo apurado pela Justiça Eleitoral.

Veja a nota na íntegra:

A coligação Pra Cuidar da Nossa Gente vem esclarecer que não há nenhum fundamento jurídico que possa prejudicar a candidatura do Dr. Pessoa para prefeito de Teresina. Ocorre que o candidato Dr. Pessoa é médico colaborador da Associação Beneficente a Favor da Vida e da Esperança, tendo realizado milhares de cirurgias gratuitas, especialmente em favor da população de baixa renda.

Dr. Pessoa nunca recebeu nenhum valor da citada Associação beneficente e não serão ações judiciais, reflexo de desespero eleitoral, que farão Dr. Pessoa parar de fazer o bem e desenvolver a sua missão de médico.

Noutro ponto, esta coligação acredita que o registro de candidatura que deverá ser cassado pela justiça é o do candidato da situação, por ter utilizado a empresa 3 Gen, que ele mesmo contratou enquanto gestor, para realização de possíveis atos de pré-campanha a seu favor.

Ocorre que o candidato Kleber Montezuma, enquanto secretário de Educação do Município, contratou a empresa 3Gen duas vezes, por quase R$700 mil, por inexigibilidade, e esta realizou possíveis atos de pré-campanha a seu favor, motivo pelo qual o Ministério Público investiga o caso, tendo requerido à administração municipal a cópia integral de todo o processo de inexigibilidade e o pedido de cassação de seu registro de candidatura, conforme processo 0600817-07.2020.6.18.0001.

Redação